GOVERNO DE SÃO PAULO

Nesta quinta-feira, 23 de maio, o governador João Doria (PSDB) anunciou, no Palácio dos Bandeirantes, a criação de onze polos de desenvolvimento econômico com pacotes de be­nefícios setoriais para a indús­tria. Ribeirão Preto está em três deles: no de Agritech, Aeroespa­cial e Serviços Tecnológicos (ao lado de Campinas e Piracicaba), no de Metal-metalúrgico, Má­quinas e Equipamentos (junto de cidades da região central, Pi­racicaba, Sorocaba, São Paulo, do Alto Tietê e do Vale do Para­íba) e no de Saúde e Farma (ao lado de Campinas, capital, Re­gião Metropolitana de São Paulo e cidades do Alto Tietê).

“Um governo responsável é comprometido com a geração de emprego. E geração de em­prego não é com programa de assistencialismo, muito menos com paternalismo, é incenti­vando o setor produtivo, crian­do condições adequadas para o setor privado produzir, criar, gerar empregos, remunerar adequadamente, criando esta­bilidade e condições econômi­cas adequadas”, salienta. “Aqui em São Paulo, a nossa priori­dade é a geração de empregos e renda”, ressalta o governador.

Foram anunciados polos nos setores de Saúde e Farma, Metal-metalúrgico, Máquinas e Equipamentos, Automotivo, Químico, Borracha e Plástico, Derivados do Petróleo e Pe­troquímico, Biocombustíveis, Alimentos e Bebidas, Têxtil, Vestuário e Acessórios, Couro e Calçados e Tecnologia e Eco Florestal. Barretos está no Bio­combustíveis e Franca, no de Couro e Calçados.

“Esse é um governo liberal e de forma nenhuma estamos fazendo um programa de in­centivo fiscal para setores espe­cíficos ou guerra fiscal. A atua­ção dos polos é para identificar falhas de mercado e atuar nas falhas de governo”, comenta a secretária de Desenvolvimen­to Econômico, Patricia Ellen. “Nosso trabalho aqui é alavan­car a produtividade e a com­petitividade do setor privado impulsionando e melhorando as políticas públicas nas regiões onde as cadeias produtivas es­tão instaladas”, completa.

Benefícios
Ainda de acordo com a se­cretária, o objetivo é incentivar o aumento da produtividade da indústria, atraindo investi­mentos, impulsionando a ino­vação e a geração de empregos e renda, reunindo na mesma região geográfica políticas para determinado setor produtivo. Os benefícios serão concedidos de acordo com a necessidade de cada de setor e são baseados em seis pilares.

O primeiro é fiscal e regu­latório, com a simplificação tributária de acordo com as necessidades setoriais. O se­gundo trata de financiamento, com a aArticulação de políticas setoriais (liderado pela Agên­cia DesenvolveSP). O tercei­ro é P&D e tech (ecossistema de Inovação), com linhas de financiamento específicas e fomento à pesquisa aplicada, via Instituto de Pesquisas Tec­nológicas (IPT) e Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Faesp).

Tem ainda qualificação de mão de obra, com alinhamento da oferta e demanda da ofer­ta de qualificação nos pólos (programa Minha Chance), infraestrutura e serviços, com atuação em serviços de infraes­trutura, transporte, segurança e conectividade, e aAmbiente de negócios e desburocratiza­ção, com a otimização de pro­cessos. “Cursos customizados e adequados às demandas das regiões, por meio das Fatecs e Etecs, instituições sólidas, ca­pacitadas, historicamente”, co­menta João Doria sobre a qua­lificação de mão de obra.

“Estamos ajudando e ten­do foco para auxiliar os setores produtivos nos polos que fo­ram aqui anunciados. Quanto mais qualificada a mão de obra, melhor a qualidade do serviço que será ofertado ao setor pri­vado, mais geração de empre­go, mais velocidade na con­tratação destes profissionais”, finalizao governador.

Comentários