Ecopontos aguardam por licença ambiental

0
55
ALFREDO RISK/ARQUIVO

A implantação de seis ecopontos destinados à en­trega voluntária de inserví­veis e resíduos pela popula­ção, como entulho, móveis velhos, pneus, madeiras, reci­cláveis e massa verde, deverá sair do papel no mês de maio. Na semana passada, em 7 de janeiro, a prefeitura de Ri­beirão Preto publicou, no Diário Oficial do Município (DOM), os pedidos de licen­ça prévia à Secretaria Muni­cipal do Meio Ambiente para instalação dos equipamentos na cidade.

O pedido de licenciamen­to faz parte do processo que começou em em outubro do ano passado, com a licita­ção que escolheu a empresa Construtora Construcerto Eireli para realizar as obras. O valor total oferecido foi de R$ 1.727.587,63, inferior ao preço estimado no edital, que era de R$ 2.106.791,02, uma economia de 18%, desconto de R$ 379.203,39.

Em outubro, o prefei­to Duarte Nogueira Júnior (PSDB), secretários e repre­sentantes da vencedora da licitação reuniram imprensa e convidados para anunciar o início das obras, na esquina da avenida Monteiro Lobato com a rua Artur Ramos, no Jardim Centenário, na Zona Oeste, onde funcionava uma caçamba social.

Os ecopontos substitui­rão as caçambas sociais exis­tentes na cidade e contarão com guarita coberta, pátio para colocação de caçambas e manobras de caminhões em piso intertravado, pata­mar para despejo de entulho nas caçambas, fechamento externo em gradil metálico e mureta de blocos de concreto aparente nas laterais e fundo.

Haverá, também, fecha­mento frontal em blocos de concreto aparentes e gradil metálico e acompanhamento de funcionário para orientar o descarte. De acordo com a Coordenadoria de Limpe­za Urbana (CLU), Ribeirão Preto produz por mês 18.594 toneladas de resíduos, in­cluindo os da coleta de lixo domiciliar e os rejeitos de­positados nas ruas pela po­pulação.

Existem na cidade 19 pontos principais de descar­te irregular de resíduos pela população que passam por limpeza periódica da coorde­nadoria. Os ecopontos subs­tituirão as caçambas sociais existentes na cidade e a pre­visão estabelecida no contra­to é que eles sejam entregues em sete meses contados a partir da assinatura. Ou seja, em maio deste ano.

Comentários