Etanol e gasolina Combustíveis mais baratos nas bombas

0
52
Foto: Paulo Pinto/FotosPúblicas

O isolamento social e a quarentena impostos pela pan­demia do novo coronavírus fez a procura por combustíveis despencar em todo o Brasil. Apesar das altas nas produtoras anunciadas nos últimos dias, os preços seguem com viés de bai­xa nas bombas dos mais de 150 postos de Ribeirão Preto.

O litro do etanol nos ban­deirados e nos sem-bandei­ra custa, em média, R$ 2 (R$ 2,199) e R$ 1,87 (R$ 1,869), respectivamente. Já o preço da gasolina custa, em média, R$ 3,50 (R$ 3,499) nos franque­ados e R$ 3,20 (R$ 3,199) nos independentes. O litro do die­sel nos sem-bandeira é vendido a R$ 2,70 (R$ 2,699) e R$ 3,30 (R$ 2,299) nos bandeirados.

A queda de preços acontece no momento em que os deriva­dos de petróleo sofrem reajus­tes nas refinarias da Petrobras e o etanol passa por correção nas usinas de açúcar e álcool de São Paulo. Na quinta-feira, 21 de maio, a estatal elevou o preço da gasolina em 12%. Foi o terceiro aumento apenas nes­te mês, seguindo a recuperação do preço do barril tipo Brent no mercado internacional.

De acordo com a Associa­ção Brasileira dos Importado­res de Combustíveis (Abicom), o aumento ficou em cerca de R$ 0,1350 por litro. O reajuste chega uma semana depois de a estatal elevar o preço da gasolina em 10% – subiu no dia 14, mas já havia sido reajustado em 12% no dia 7. O derivado de petróleo já acumula alta de 34% em apro­ximadamente 15 dias. Na ter­ça-feira (19), a Petrobras elevou também o preço do diesel, em 8%, o primeiro aumento após o início da pandemia.

Antes das correções desta semana, o diesel acumulava no ano queda de 44,1%, contra redução de 41,3% da gasolina, que já embute as duas primei­ros altas de maio. Segundo dados divulgados nesta sexta­-feira (22) pelo Centro de Estu­dos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), o preço do hidratado nas usinas pau­listas já está acima de R$ 1,40 novamente.

Saltou de R$ 1,3931 para R$ 1,4348, aumento de 2,99% – já acumula 9,99% de alta em maio. O preço do anidro – adicionado à gasolina em até 27% – também voltou a subir 2,49% e acumula alta de 3,76% em três semanas. Agora, saltou de R$ 1,5424 para R$ 1,5808. De acordo com o le­vantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Na­tural e Biocombustíveis (ANP), realizado em 108 cidades pau­listas entre 10 e 16 de maio, a gasolina vendida em Ribeirão Preto custa menos de R$ 4. Em média, o litro é vendido a R$ 3,480, contra R$ 3,638 do perí­odo anterior, abatimento de R$ 0,158 e queda de 4,3%.

O preço médio do diesel é de R$ 2,780, ante R$ 3,137, do levantamento anterior, recuo de 11,4% e desconto de R$ 0,357. O diesel S10 é vendido por R$ 3,080, contra R$ 3,338 do pe­ríodo antecedente, retração de 7,7% e abatimento de R$ 0,258. O etanol ribeirão-pretano custa R$ 2,072, ante R$ 2,227 da pes­quisa anterior, recuo de 6,9% e abatimento de R$ 0,155.

Por causa da antecipação de dois feriados municipais e do Dia da Revolução Consti­tucionalista (Nove de Julho) na capital e no estado de São Paulo, o novo balanço da ANP será divulgado na ter­ça-feira (26). Considerando os atuais valores médios da agência, de R$ 3,480 a gaso­lina e de R$ 2,072 para o de­rivado da cana, ainda é mais vantajoso abastecer com eta­nol, já que a paridade está em 59,5% – deixa de ser vanta­gem encher o tanque com o derivado da cana-de-açúcar a relação chega a 70%.