Valter Campanato/Agência Brasil

As inscrições para o Exa­me Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 terminam nesta sex­ta-feira, 17 de maio. Os candidatos podem se inscrever no site oficial da prova. A taxa deste ano custa R$ 85. Os testes serão aplicados nos dias 3 e 10 de novembro. No ano passado, 5.513.726 estudantes estavam inscritos em todo o país, mas, no segundo dia de provas, 1.610.681 faltaram, 29,2% do total. O índice foi maior do que no pri­meiro dia de prova, de 24,9%. No estado de São Paulo, 31,4% dos estudantes não fizeram o exame. Em Ribeirão Preto, 16,7 mil alu­nos estavam cadastrados.

As instituições públicas de en­sino superior utilizam a nota do Enem para selecionar candidatos por meio do Sisu. Os alunos po­dem escolher até duas opções de curso, sendo possível alterá-las durante o processo de inscrição. Ela é feita no site do programa com o número de inscrição e se­nha cadastrados no Enem e sem o pagamento de taxas.

O processo seletivo conta com apenas uma etapa, na qual o can­didato precisa escolher por ordem de preferência até duas opções de cursos oferecidos pelas institui­ções que participam do progra­ma, e se disputará vagas de ampla concorrência, reservadas à Lei de Cotas ou reservadas a estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas.

Ao fim do processo de ins­crição, o sistema seleciona auto­maticamente os candidatos que tiveram melhor classificação em cada curso, de acordo com as no­tas no Enem, do número de vagas em cada curso, por modalidade e concorrência. Caso ela permita sua classificação nas duas opções de vaga escolhidas, ele será sele­cionado exclusivamente para a sua primeira opção. Vale lembrar que alguns cursos contam com pesos diferentes. Por exemplo, um curso de física pode dar mais peso à nota de Ciências da Natureza.

Podem participar do Sisu os estudantes que fizeram o Enem do ano anterior e não obtiveram nota zero na redação. Tanto candidatos que participaram do Sisu em ou­tras ocasiões e foram selecionados como os que já estão matriculados em instituições de ensino superior podem participar do Sisu deste ano, desde que tenham feito o Enem. Contudo, os estudantes não podem ocupar duas vagas em instituições públicas de ensino su­perior ao mesmo tempo.

ProUni
O Programa Universidade para Todos (ProUni) é um pro­grama do Ministério da Educa­ção que concede bolsas de estudo integrais e parciais de 50% em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação espe­cífica, a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior. As inscrições são feitas no site do programa. Podem se inscrever professores da rede pública de ensino que estejam em exercício e concorram na modalidade de bolsas em cursos destinados à formação do magistério da edu­cação básica, e quem participou de qualquer uma das edições do Enem a partir de 2010 e obteve nota igual ou superior a 450 pon­tos, sem zerar na redação.

Para concorrer a bolsas inte­grais, o candidato deve ter renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas de 50%, a renda fa­miliar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Além disso, o candidato pre­cisa ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pú­blica ou como bolsista integral em escola da rede particular, ser portador de deficiência ou pro­fessor da rede pública de ensino no efetivo exercício do magistério da educação básica e concorrer a bolsas exclusivamente nos cursos de licenciatura. Neste caso, não é necessário comprovar renda. O processo seletivo é composto por duas fases: o regular e a ocupação das bolsas remanescentes, aquelas que não forem ocupadas no de­correr do processo regular.

Fies
O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Ministério da Educação que visa conceder financiamento a estudantes em cursos superio­res em instituições particulares e participantes. Atualmente, ele oferece duas modalidades: ju­ros zero ou financiamentos que variam conforme a renda familiar do candidato.

Podem participar da primeira modalidade os estudantes que ti­verem renda per capita mensal fa­miliar de até três salários mínimos. Eles começarão a pagar as presta­ções respeitando o seu limite de renda, com redução dos encargos a serem pagos. A segunda moda­lidade é destinada aos alunos com renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos, e conta com recursos dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvi­mento, além de bancos privados.

Em ambas as categorias, po­dem participar aqueles que fize­ram qualquer edição do Enem desde 2010 e obtiveram médias das notas das provas igual ou su­perior a 450 pontos, sem zerar na redação. As inscrições são fei­tas de forma gratuita no site do programa. Candidatos do Sisu podem se inscrever no Prouni desde que atenda aos critérios do programa. Caso seja selecio­nado nos dois programas deve­rá optar pela bolsa do ProUni ou pela vaga do Sisu.

Vale lembrar que a pré-sele­ção em qualquer das chamadas do ProUni garante ao candidato apenas a expectativa de direito à bolsa, reservando o benefício à participação e aprovação nas fases posteriores do processo se­letivo e à formação de turma no período letivo inicial do curso. O bolsista do ProUni também pode se inscrever no Sisu se tiver feito o último Enem. Porém, se for selecionado pelo Sisu, deve­rá optar pela bolsa do ProUni ou pela vaga na instituição pública para a qual foi selecionado.

Caso o candidato consiga bol­sa de 50% pelo ProUni, mas não possa pagar a outra metade, pode usar o Fies para custear o restante da mensalidade, sem a necessida­de de apresentação de fiador na contratação do financiamento. Para isso, é necessário que a insti­tuição e o curso para o qual o can­didato foi contemplado com bolsa parcial do ProUni tenham oferta de vagas para financiamento e que o estudante seja aprovado no pro­cesso seletivo do Fies.

Comentários