Inteligência artificial desvenda o segredo para sucesso das relações

0
23

Em estudo publicado na Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, pesquisadores utilizaram Inteligência Artificial para descobrir quais são as principais características que tornam os relacionamentos duradouros.

O software analisou 43 estudos preexistentes envolvendo mais de 11 mil casais de países como Estados Unidos, Canadá, Israel, Nova Zelândia, Suíça e Holanda. Depois, agregou os resultados para identificar o que funciona para a maioria dos namoros e casamentos.

Resultados do estudo

Não há nada errado em ser seletivo no momento de buscar uma relação. No entanto, encontrar alguém que atenda a todos os requisitos idealizados para o “parceiro dos sonhos” não é garantia de um relacionamento estável. De acordo com o estudo, a personalidade do parceiro conta apenas 5% para o sucesso do casal.

smiling-man-and-woman-wearing-jackets-1642883.jpg

Inteligência Artificial analisou os fatores responsáveis pela longevidade da maioria dos casais. Imagem: Tristan Le/Pexels

A sua própria personalidade carrega uma importância bem maior: 21%. O modo como você enxerga o mundo, sua capacidade de ter empatia e até mesmo sua idade e renda influenciam na maneira como você acolhe o outro. Desta forma, o que faz a diferença num relacionamento é menos o modo como o seu parceiro age, e mais como você o recebe.

No entanto, o que faz com que os casais realmente deem certo não são os aspectos de cada indivíduo separadamente, mas as características do próprio relacionamento. A rotina construída em conjunto é responsável por 45% da longevidade da relação. Entre os fatores analisados, estão as dinâmicas de poder, a satisfação sexual e o afeto compartilhado entre os membros do relacionamento.

“A dinâmica que você cria com alguém (as regras, as piadas internas, as experiências divididas) é muito mais importante do que as pessoas que compõem o casal”, explica Samantha Joel, autora principal do estudo e diretora do Laboratório de Decisões sobre Relacionamentos da Western University. “Isso sugere que a pessoa que escolhemos não é nem de longe tão importante quanto o relacionamento que construímos”, completa ela.

Via: Vice

Comentários