Ira! lança álbum após treze anos

0
12
FOTOS: CARINA ZARATIN/DIVULGAÇÃO

Seria um disco do Ira!, um bom disco do Ira!, com as guitarras tim­brando e as composições de Edgard Scandurra em plena forma criativa, mesmo nas métricas nem sempre polidas para a interpretação que Nasi conseguiu reinventar a si mes­mo usando as limitações da própria voz. Um disco importante, lançado 13 anos depois do que havia sido o último de inéditas antes da confron­tação entre os integrantes e o fim, “Invisível DJ”.

“Ira”, o novo álbum, não por aca­so sem o acento de exclamação, já seria um marco importante se fos­se lançado até janeiro de 2020, mas agora ganha ainda outro significado quando soa como se estivesse aten­dendo a um chamamento. No mo­mento em que o país desmorona, o rock and roll, ou a parte de resistên­cia que lhe restou depois da deban­dada conservadora, também pode soar como uma esperança.

A esperança que soa em “Ira”, o primeiro disco da banda paulistana a levar seu próprio nome no título, não é das passeatas na Paulista. A força de canções inteiramente novas é uma quase milagrosa reação em si de uma banda liderada por dois homens de 58 anos dada por muitos como produtivamente extinta mes­mo com um show redentor para mi­lhares de pessoas na Virada Cultural de 2014, no pós-rompimento.

Seu retorno às rotativas, sobre­tudo com músicas como “O amor também faz errar”, “Mulheres à fren­te da tropa”, “A Torre” e “O homem cordial morreu”, acessa os matizes do Ira! sem acessar o velho Ira! E quando um fã sente isso, ele percebe que, apesar de algumas baixas, mui­tos de seus heróis ainda caminham a seu lado.

“O Ira sem acento é para traduzir os tempos da ira em que estamos vi­vendo, esse sentimento de confron­to. Não tínhamos também nenhum álbum com o nome da banda”, diz Nasi. O disco já estava praticamente pronto quando a pandemia atrope­lou o mundo, por isso não entenda errado a frase da música “Nossa amizade” quando ela diz “deixemos assim, alguns metros de distância, agora é assim. Atrás das paredes de concreto, deixamos assim”.

Ao olhar para trás, Nasi diz o que vê. Ele não queria fazer o pro­jeto “Ira! Folk”, foi resistente, mas acabou aceitando o argumento do irmão, Airton Junior, de que o for­mato o colocaria em teatros que nunca viram as bandas de rock com muito carinho. Sobre o disco “In­visível DJ”, de 2007, ele avalia com ressalvas. “Eu fui convencido a fazer, mas entendo que aquele é um disco mais ou menos do Ira!”

O tempo passou e a banda volta em uma configuração que redistri­bui a política interna, o que pode facilitar o fluxo de operações. Com o baterista Evaristo Pádua e o bai­xista Johnny Boy, como diz Nasi, a sonoridade dos registros da banda é respeitada ao mesmo tempo que as decisões não precisam mais pas­sar pelas desgastantes votações dos quatro integrantes originais. “Não que Johnny e Evaristo não sejam importantes, claro que são, mas quero dizer que a tocha está nas nossas mãos”.

O novo álbum “Ira” já seria um marco importante se fosse lançado até janeiro de 2020, mas agora ganha ainda outro significado

Aos fãs que perguntarem até onde pode durar o novo armistí­cio entre Nasi e Edgard, ou Nasi e seu próprio irmão que também trabalha a seu lado, Junior, Nasi diz: “Olha, sendo bem sincero, nós do grupo sabemos que um dia podemos decidir uma parada, mas isso não será mais da forma como foi, com brigas. Podemos hoje fazer isso com tranquilidade.”

O Ira!, assim como o próprio rock and rol, surge de um universo majoritariamente masculino, mui­tas vezes machista. Assim, vira um outro marco do disco a canção “Mu­lheres à frente da tropa”, composta e cantada por Edgard Scandurra. Ele lembra que sua trajetória está cer­cada de trabalhos com mulheres, desde sua passagem pelo grupo As Mercenárias, em 1983, até produ­ções e participações em trabalhos de cantoras, além das parcerias que fez para criar as novas canções, como as duas com Silvia Tape (“Respostas”! e “Você me toca”) e uma com Virginie Boutaud (“Efeito dominó”).

Mas reconhece também que era preciso marcar território, posicio­nando-se em uma causa dos novos tempos. “Era importante para o Ira! entrar nesse terreno. O rock carrega muito esse estigma do sexo-drogas­-rock and roll, existem as lendas das groupies (as mulheres que seguiam as bandas oferecendo-se aos roquei­ros), as tietes, um olhar sempre de exploração das fãs, aquele olhar de cima para baixo.”

Há um coro de mulheres, entre elas a cantora Virginie Boutaud, da banda Metrô, e um belo clipe grava­do nas dependências da Ocupação 9 de Julho, dirigido por Luciana Sérvulo, que conta uma história a partir do sonho de uma senho­ra que cochila em sua poltrona. Manter a sonoridade do Ira! rele­vante em 2020 foi também, na fala dos integrantes, uma conquista do produtor Apollo 9, um conhecedor de anos da sonoridade sem grandes concessões da banda.

O que se ouve é um álbum de solos de guitarra elásticos, sem as métricas de tempos milimetrados de outros discos, e com canções com muitas possibilidades de aber­turas para serem destrinchadas em shows ao vivo, assim que for possí­vel fazê-los. “O conceito de guitar­ra nesse disco acabou se tornando algo superforte, o que nem sempre aconteceu em outros álbuns”, diz Scandurra. “A gente às vezes se pre­ocupa com as canções, os arranjos, a estética, e quando vê, a guitarra está escondida lá atrás, pequena na composição.”

A crítica muitas vezes chamou a atenção para uma certa adolescên­cia nas letras de Edgard em outros discos, o compositor de quase tudo no grupo. Os anos precisavam pas­sar para que pudesse contar aquilo que se viveu, ou o que não viveu, as­sim que chegasse vivo a 2020.