JOE SKIPPER/REUTERS

A Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa) e a em­presa SpaceX lançaram uma nave com quatro astronautas rumo à Estação Espacial Inter­nacional (ISS) nesta sexta-feira, 23 de abril. A cápsula foi lan­çada às 6h49 (horário de Bra­sília) pelo foguete Falcon 9 do Cabo Canaveral, no Estado da Flórida. A estação espacial fica a cerca de 400 quilômetros da Terra. Com isso, os astronautas devem realizar um voo de 23 horas até chegarem ao destino no sábado (24).

A missão – batizada de Crew-2 – usa novamente o foguete de reforço da missão anterior (Crew-1). Já a cápsula Crew Dragon é a mesma usada na missão de teste. Essa é a pri­meira equipe a entrar em ór­bita em uma nave construída a partir de material reciclado, o que representa uma grande economia para a Nasa.

A tripulação é formada por pesquisadores de três países dife­rentes. O voo inclui os astronau­tas americanos Shane Kimbrou­gh e Megan McArthur, junto com o membro da Agência de Exploração Aeroespacial do Ja­pão (Jaxa), Akihiko Hoshide, e o membro francês da Agência Espacial Europeia (ESA), Tho­mas Pesquet. Os quatro devem ficar seis meses no espaço.

Kimbrough, McArthur, Hoshide e Pesquet se juntarão à tripulação de sete pessoas que já está na Estação Espacial Internacional. Por um curto período, o número de tripu­lantes na estação espacial au­mentará para onze pessoas até que os astronautas da primeira tripulação retornam à Terra.

Um dos objetivos da mis­são é estudar uma tecnologia que gera pequenos modelos de órgãos humanos contendo vários tipos de células que se comportam da mesma forma que no organismo. São os cha­mados “chips de tecidos”.

Esse é o terceiro lançamen­to da parceria entre a Nasa e a SpaceX, empresa fundada por Elon Musk, bilionário e dire­tor executivo da montadora de carros elétricos Tesla. A em­presa de Musk conseguiu se es­tabelecer como o provedor de transporte favorito da agência dos Estados Unidos.

O primeiro teste tripulado da SpaceX, em maio de 2020, encerrou nove anos de de­pendência dos Estados Uni­dos em foguetes russos para viajar para a ISS após o fim do programa de ônibus espa­ciais “Shuttle”, em 2011.

Em novembro de 2020, a Estação Espacial Internacio­nal completou 20 anos com presença humana contínua. As pesquisas permitem a pre­paração para missões na Lua e em Marte. Até o momento, 243 pessoas de 19 países visitaram o laboratório orbital.