Queixas sobre o Sassom
O Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto tem recebido reclamações de funcionários da prefeitura vinculados ao Sassom, por causa dos valor da mensalidade e das restri­ções a dependentes. O Conselho, ao lado da direção do Servi­ço de Atendimento à Saúde dos Municipiários, que sempre foi exemplo, tem dificultado alguns exames, exigindo uma série de providências que, devido á pandemia, fica mais difícel para os idosos que dependem de tais autorizações.

Terceirizado
O atendimento do Sassom, ao que consta, é terceirizado e muitas vezes não orienta devidamente aos pacientes. O ser­viço não tem inadimplência, pois o pagamento da mensalida­de é descontado na fonte dos servidores. Muitos funcionários municipais mais bem pagos optaram por outros planos de saúde, deixando aquele setor de atendimento desfalcado.

Terceirização
Os próprios sindicalistas confessam que temem pela terceiri­zação do Sassom e citam as mudanças realizadas na direção do setor pela atual administração municipal. Vamos procurar a direção para os devidos esclarecimentos.

Fundação
O Sassom foi criado pelo ex-prefeito Alfredo Condeixa Filho, tendo a sua frente o servidor publico Philomeno Alário, e foi um marco na previdência dos trabalhadores municipais de todo o país. Grande número de municípios buscou em Ribeirão Preto os parâmetros para a constituição de institutos idênti­cos aos estruturados aqui. Ele foi pioneiro na construção de casas populares para funcionários públicos, na Vila Kennedy, que chamou a atenção do recém-criado BNH, que tinha a fren­te Sandra Cavalcanti. Ela veio avaliar o serviço desenvolvido pelo então presidente do Sassom, Ceme Viana Bittar.