Nintendo aumenta produção do Switch em 20%

0
17

Nintendo apostou em uma nova modalidade de consoles com o Nintendo Switch. O híbrido portátil e de mesa se mostrou um enorme sucesso, o que obrigou a empresa a aumentar sua produção pela segunda vez. Os relatos apontam que a gigante japonesa pediu um aumento de 20% na produção, chegando às 30 milhões de unidades por ano fiscal.

Desde o início do ano, a Nintendo tem lutado para acompanhar a demanda pelo console. O lançamento do jogo Animal Crossing: New Horizons aumentou ainda mais o interesse pelo Switch. Além disso, o isolamento social imposto pela pandemia do coronavírus ajudou a impulsionar as vendas. Porém, tem dificultado ainda mais o atendimento da demanda.

Outro ponto que a empresa tem investido é em uma possível versão 4K do console, com mais poder de computação. Com isso, a Nintendo também já estaria pedindo para que seus desenvolvedores trabalhem em títulos em 4K. Ainda não se sabe se os jogos vão ter suporte nativo ou simplesmente com um aumento de escala. O maior problema é manter o desempenho dos games.

ReproduçãoNintendo aumentou a produção do Switch. Foto: Tinxi/Shutterstock

Uma atualização completa do hardware pode ajudar nesse ponto. Outro ponto que pode afetar é o tamanho do console. Por ser um híbrido, o console é pequeno, o que dá pouco espaço para a empresa trabalhar. Portanto, é necessário esperar um anúncio oficial da Nintendo para entender no que a empresa vai apostar.

Switch chega oficialmente ao Brasil

O Nintendo Switch acaba de receber uma data de lançamento oficial para o mercado brasileiro. Segundo a empresa, o console chega ao país em 18 de setembro. Além disso, foi revelado que o preço sugerido para o videogame é de R$ 2.999. A responsável pela distribuição dos itens por aqui será a Ingram Micro Brasil.

O console será vendido em duas variantes, que se diferenciam pela cor dos controles, chamados de Joy-Con. A primeira versão possui coloração cinza, enquanto a segunda – e mais chamativa – possui as cores azul e vermelho neon. Ambas já foram lançadas em outros mercados.

Via: The Next Web

Comentários