PF apura vazamento de dados de Bolsonaro

0
21
Antonio Cruz/ Agência Brasil

O Ministério da Justiça e da Segurança Pública determinou a instau­ração de um inquérito para apurar o vazamento de supostos dados do presidente Jair Bolsonaro, seus filhos, ministros e aliados. O pedi­do da investigação pela Polícia Federal (PF) foi confirmado ministro André Mendonça, nesta terça-feira, 2 de junho.

A divulgação dos dados ocorreu na noite de segunda, dia 1º, em perfis no Twitter que dizem ser ligados ao grupo hacker Anonymous Brasil. Além de Bolsonaro, supostos dados de seus filhos, Carlos, Eduardo e Flávio, além de integrantes do governo como os ministros Damares Alves e Abraham Weintraub foram expostos. Uma das con­tas que vazou os dados foi suspensa minutos depois e o site onde estavam armazenadas as informações saiu do ar.

A Anonymous atua em outros países e ressurgiu no último domingo, 31 de maio, após desdobramentos do caso de George Floyd, homem negro assassinado durante uma abordagem policial nos Estados Unidos. A conta que vazou supostos dados de autoridades brasilei­ras estava sem publicar no Twitter desde outubro de 2018. No último domingo, anunciou a volta.

O Palácio do Planalto e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) confirmam que os dados são mesmo de Bolsonaro, porém desatuali­zados. O filho do presidente e vereador Carlos Bolsonaro (Republica­nos-RJ) confirmou que os dados são verdadeiros.

Além de Bolsonaro e seus filhos, tiveram os supostos dados vaza­dos o deputado estadual Douglas Garcia, aliado do presidente, os ministros Abraham Weintraub e Damares Alves, e o dono da Havan e também aliado de Bolsonaro, Luciano Hang. Entre os dados vazados estão informações como e-mails, telefones, endereços, perfil de crédito, renda, nomes de familiares e bens declarados.

Bolsonaro afirmou que a divulgação de seus dados pelo movimento hacktivista Anonymous Brasil é uma “clara medida de intimidação” do grupo. “Medidas legais estão em andamento, para que tais crimes, não passem impunes”, disse pelo Facebook.

“Em clara medida de intimidação o movimento hacktivista ‘Anony­mous Brasil’ divulgou, em conta do Twitter, dados do presidente da República e familiares. Medidas legais estão em andamento, para que tais crimes, não passem impunes”, afirma.

Celular
O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejei­tou um pedido feito por partidos de oposição para que o celular do presidente Jair Bolsonaro fosse apreendido na investigação sobre a suposta interferência política do mandatário na Polícia Federal (PF).

O ministro acolheu o argumento do procurador-geral da República, Augusto Aras, que em manifestação enviada ao Supremo frisou caber somente ao Ministério Público a iniciativa de propor diligên­cias em investigação penal, não sendo legítimo que terceiros façam requerimentos do tipo.