Plano São Paulo – Governo do Estado antecipa atualização

0
80

O governador João Doria (PSDB) anunciou para esta sexta-feira, 15 de janeiro, nova reclassificação extraor­dinária do Plano São Paulo, sobre as regras de quarentena para o Estado. A atualização estava prevista para aconte­cer em três semanas, em 5 de fevereiro – um mês após a úl­tima classificação, em 8 de ja­neiro –, em meio à piora dos indicadores epidemiológicos sobre o avanço da covid-19 em São Paulo.

Segundo o secretário es­tadual de Saúde, Jean Carlo Gorinchteyn, o Estado vive avanço da doença semelhan­te ao registrado em agosto do último ano, durante pico de contágio e infecções. Na terça-feira (12), o Estado re­gistrou variação semanal – comparativo dos últimos sete dias contra os sete anteriores – positiva de 62,5% em novos casos, de 40,2% em óbitos e 24,0% em internações.

Para o diretor do Institu­to Butantan, Dimas Covas, os efeitos causados por uma eventual vacinação em massa a partir de janeiro não serão perceptíveis antes de abril. Ri­beirão Preto está na fase ama­rela do Plano São Paulo, mas toda a região do 13º Depar­tamento Regional de Saúde (DRS-XIII), que abrange mais 25 cidades, pode regredir para a faixa laranja e até para a ver­melha já a partir da próxima semana, caso os indicadores melhorem ou piorem.

Para que uma região pos­sa ascender ou retroceder de fase, o Centro Estadual de Contingência da Covid-19 avalia a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), internações e óbitos por 100 mil habitan­tes e incidência de casos de coronavírus, óbitos e interna­ções. Segundo a última atua­lização do Plano São Paulo, a região de Ribeirão Preto tem dois índices de fase verde e três da etapa amarela.

De acordo com dados dos últimos 14 dias consoli­dados em 7 de janeiro, a área da DRS-XIII tinha 57,2% de ocupação de leitos de UTI e taxa de 11,8 vagas de terapia intensiva para cada 100 mil habitantes. Estes critérios têm peso maior na avaliação e co­locariam a região na fase ver­de. Os outros três critérios do Plano São Paulo mantiveram a região na fase amarela: 181,4 novos casos para cada grupo de 100 mil habitantes, 36,7 internações para cada 100 mil moradores e 3,6 novos óbitos por 100 mil pessoas.

A fase amarela atual per­mite 40% de ocupação presen­cial para todas as atividades liberadas, incluindo parques estaduais, e expediente geral de até dez horas diárias. O atendimento presencial tem de ser encerrado às 22 horas em todos os setores. Nos ba­res, as portas devem fechar ao público mais cedo, às 20 horas. Atividades não essen­ciais que geram aglomeração, como festas, baladas e shows continuam proibidas.

Na fase vermelha podem abrir apenas estabelecimen­tos que prestam serviços essenciais como supermer­cados, padarias, açougues, bares, lanchonetes e restau­rantes (desde que não haja consumo no local), farmá­cias, drogarias, bancos (se­guindo as regras de distan­ciamento e higienização), postos de combustíveis, ser­viços de limpeza, segurança, transporte (ônibus, táxis e aplicativos) e abastecimento.

Os novos critérios de ava­liação de indicadores de in­ternações, ocupação de leitos e mortes levou o governo a endurecer a possibilidade de progressão de qualquer região novamente à fase verde do Plano São Paulo, que permite a maioria das atividades não essenciais com menos restri­ções de horário e público.

Cada região passa a pre­cisar alcançar 30 internações por 100 mil habitantes e três mortes por 100 mil habitan­tes nos últimos 14 dias, além de passar 28 dias seguidos na fase amarela antes de avançar. Os critérios de saúde na fase laranja também ficam mais rígidos. O limite máximo da taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) passa de 75% para 70% em cada região.

A região do DRS XIII é formada por Ribeirão Preto, Altinópolis, Barrinha, Ba­tatais, Brodowski, Cajuru, Cássia dos Coqueiros, Cra­vinhos, Dumont, Guariba, Guatapará, Jaboticabal, Jardi­nópolis, Luis Antônio, Mon­te Alto, Pitangueiras, Pontal, Pradópolis, Santa Cruz da Esperança, Santa Rosa de Vi­terbo, Santo Antônio da Ale­gria, São Simão, Serra Azul, Serrana e Sertãozinho.