Presidente do Comercial pede isenção do exame antidoping na A3

0
50
DIVULGAÇÃO/COMERCIAL FC

O presidente do Comercial, Ademir Chiari, defendeu, du­rante um encontro com diri­gentes dos clubes que integram a Série A3, que a FPF (Fe­deração Paulista de Futebol) isente os clubes da divisão de algumas taxas como a cobrada para realização de exame anti­doping nos jogadores.

“Acho que tem muitas coi­sas que a Federação cobra de um time pequeno que pode­ria nos isentar, algumas taxas de exame antidoping, R$ 5 mil pra fazer um exame an­tidoping, talvez poderia nos isentar, mesmo porque a nos­sa renda de Federação hoje é muito pequena. Isentando, talvez seria interessante para os clubes do interior”, afir­mou Chiari.

Entretanto, no mesmo evento, o presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, declarou que a Série A3 é o campeonato que gera o maior gasto para a federação. Se­gundo ele, é necessário que os clubes e a FPF encontrem outras fontes de renda.

“É a divisão que mais custa para a Federação Paulista de Futebol. A1 tem contratos de televisão e publicidade que pa­gam a A1. A2 tem os contra­tos de televisão de publicidade que pagam a A2. A3 é o inves­timento da Federação Paulista de Futebol e cresce de acordo com que cresce a receita do fu­tebol como um todo. A1 e A2 geram receitas que a federação fica com um percentual que ela investe na A3 e na Segunda Divisão”, disse.

No comando do Comercial há três anos, Chiari revelou que as dificuldades para gerir o clube são enormes. Com as cotas bloqueadas por conta de débitos antigos o Leão do Nor­te precisa se virar para poder manter as contas em dia.

“A principal dificuldade da administração do Comercial hoje é financeira. Nós pega­mos o clube em uma situação muito difícil. Estou indo para o terceiro ano de mandato. As nossas rendas de Federação to­das penhoradas, algumas ren­das de aluguel de box também penhoradas, essa é a maior difi­culdade nossa hoje pra tocar o futebol”, finalizou.