REPRODUÇÃO/CÂMERAS DE SEGURANÇA

A Polícia Civil prendeu um sus­peito de envolvimento no ataque ao carro-forte da Protege em fren­te à Caixa Econômica Federal de Guariba, em 8 de julho, que deixou ferido um vigilante da empresa de transporte e guarda de valores. A prisão ocorreu na manhã desta ter­ça-feira (16) e, segundo o delegado Reginaldo Félix, o homem auxiliou a quadrilha na fuga.

Os criminosos estavam em dois carros e uma motocicleta. Durante o ataque, houve troca de tiros e um vigia foi baleado de ras­pão na cabeça. Uma cliente dentro da agência, desesperada, se sentiu mal no local e precisou ser socor­rida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Ainda de acordo com o delega­do, depois que o grupo abandonou o Renault Logan usado na ação, esse suspeito utilizou um veículo Honda Civic clonado para pegar os compar­sas e continuar a fuga. A quadrilha escapou sem o dinheiro, segundo informações da Polícia Civil divul­gadas no dia da tentativa de assalto.

Félix disse ainda que esse ho­mem possui diversos anteceden­tes criminais. A Justiça determinou a prisão temporária dele, devido a um desses crimes. O mandado foi cumprido nesta terça-feira. Com a prisão do suspeito, a Polícia Civil espera chegar aos demais envolvi­dos na tentativa de roubo. A dele­gacia de Guariba continua investi­gando o caso.

Policiais militares e rodoviários fecharam o cerco em toda a região, com apoio do helicóptero Águia e de equipes de Ribeirão Preto, Sertãozi­nho, Pradópolis, Matão e Jabotica­bal. Um dos veículos foi localizado abandonado e com marcas de tiros no Jardim Bela Vista. A tentativa de roubo aconteceu logo após a aber­tura da agência, por volta das dez da manhã. O vigia ferido foi levado para a Santa Casa de Guariba.

Segundo informações, os cri­minosos não conseguiram roubar nenhuma quantia. A tentativa de assalto ocorreu por volta de 10h50 e havia clientes dentro do banco, localizado na rua Rui Barbosa, no Centro de Guariba. Durante o ti­roteio, as pessoas se jogaram no chão, na área dos caixas eletrôni­cos. Pelo menos quatro homens participaram da tentativa de roubo.

Desde agosto de 2015, já fo­ram constatados na região oito ataques a carros-fortes. O mais recente havia sido registrado na noite de 13 de maio deste ano, na altura do quilômetro 255 da Rodo­via Anhanguera (SP-330), próximo ao pedágio de Santa Rita do Passa Quatro. Segundo informações, dois veículos (Tiguan e Range Rover Evoque) interceptaram o carro-for­te da empresa de guarda e trans­porte de valores Protege.

A quadrilha tinha ao menos dez assaltantes. Um vigilante ficou feri­do no capotamento do carro-forte – os bandidos explodiram o veículo logo após o acidente. Os criminosos chegaram em dois carros. Os quatro vigilantes foram rendidos e, em se­guida, o veículo foi explodido. Dois caminhões também foram atingi­dos por disparos, mas ninguém se feriu. Um vigilante da Protege teve ferimentos leves na capotagem. Os suspeitos fugiram com dinheiro.

Em 24 de abril, três suspeitos de envolvimento no mesmo grupo cri­minoso foram presos em Jardinó­polis e Guarulhos durante operação da Polícia Militar e do Grupo de Atu­ação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Na época, o Ministério Público Estadual (MPE) informou que cinco mandados de prisão foram expedidos pela Justi­ça e que os presos tinham ligação com o alto escalão de uma facção criminosa que age dentro e fora dos presídios paulistas.

Bancos – Em dois anos, foram re­gistrados 202 ataques com explosi­vos a bancos no Estado de São Paulo. Foram 100 ataques em 2017 e 102 em 2018, segundo dados da Secre­taria de Segurança Pública (SSP-SP). Os alvos foram os caixas eletrônicos ou os cofres das agências

Comentários