Ribeirão representada em festival internacional

0
126

A estudante e o ex-aluno do curso de Produção Audio­visual do Centro Universitá­rio Barão de Mauá, Márcia Emília de Souza e Thiago de Caux participaram da Red Iberoamericana de Video­danza (Rediv), um grupo de festivais que envolveu a Mos­tra Internacional de Dança e Imagem em Movimento de Ribeirão Preto (Imarp), a Universidade de Lisboa e a Faculdade de Motricidade Humana, também de Lisboa.

Segundo Márcia, a Rediv é considerada uma residência artística, onde 80% do evento acontece na língua espanhola. São cerca de 30 festivais apre­sentados em diversos países da América Latina, além de Portugal e Espanha. “Seu obje­tivo é difundir e fomentar essa nova forma híbrida de arte que envolve gestos, movimentos e linguagem cinematográfica, promovendo a cooperação, di­vulgação e intercâmbio de es­forços pela dança levada à tela”, explica a estudante.

O convite para represen­tar a Barão no festival foi feito pela diretora artística da Mos­tra Internacional de Dança e Imagem em Movimento de Ribeirão Preto, Denise Matta, para a coordenadora do cur­so de Produção Audiovisual, Carmen Justo. Foi assim que Márcia e Thiago tiveram sua presença marcada no evento. “O aceite foi imediato e par­timos para essa aventura que envolvia um lado que ainda não conhecíamos: a dança”, comenta o ex-aluno.

Muitos países foram en­volvidos no projeto, mas Ri­beirão Preto – representado pela Barão de Mauá – foi a única cidade do estado de São Paulo que participou do festival. “Sem sombra de dúvidas, essa oportunidade ampliou nossos horizontes e nos deu mais segurança. O aprendizado foi riquíssimo e agradecemos ao envolvi­dos, especialmente ao Centro Universitário Barão de Mauá que nos presenteou com a re­sidência. Tivemos uma quí­mica que nos permitiu apre­sentar três vídeos ao invés de um, conforme combinado no início”, ressalta Thiago.

O projeto
Com o tema Transborda­mentos/Desbordamientos, o projeto dos ribeirão-pretanos levou o nome de “redundan­tia nostri rei” que em por­tuguês significa “desdobra­mentos da nossa realidade”. Márcia conta que escreveu o poema “Ser dona de mim” com o intuito de discutir exa­tamente essa questão.

“A introspecção pode nos afetar em qualquer momento de nossas vidas. No entanto, a necessidade de superação, que é inerente ao ser humano, nos obriga a transbordar. Na Rediv, esse processo de trans­bordamento foi vivenciado e explorado em conjunto com todo o grupo, com delicadeza e seriedade”, afirma.

O poema foi interpretado pela atriz Bolinha Monteiro e o roteiro, a cenografia e as filma­gens foram feitas pelo Thiago, com a participação dos cole­gas Amauri Júnior e Mariana Júnior, que são ex-aluno e es­tudante também de Produção Audiovisual da Barão.

Comentários