2.2 W/Agencia Brasil

A Secretaria de Estado da Saúde convoca pais e respon­sáveis para levarem os meno­res aos postos de vacinação e aderirem às campanhas con­tra poliomielite e de multiva­cinação. Em São Paulo, ainda é preciso vacinar mais de 1,4 milhão de crianças com me­nos de 5 anos contra a para­lisia infantil para atingir 95% da cobertura do público al­mejado, equivalente a 2,1 mi­lhão de meninos e meninas.

Até sexta-feira, 23 de outu­bro, cerca de 653,1 mil crian­ças foram imunizadas contra a “pólio”, apenas 29,5% da po­pulação nessa faixa etária. Em Ribeirão Preto, a meta da Se­cretaria Municipal da Saúde é imunizar 169.142 jovens.

Segundo nota da pasta, o público-alvo envolve 135.384 crianças e adolescentes de 5 a 14 anos que precisam atuali­zar as carteiras de vacinação e a imunização de 33.758 me­ninos e meninas de 1 a me­nores de cinco anos contra a poliomielite.

A Campanha de Vacinação de Poliomielite e Multivacina­ção vai até esta sexta-feira, 30 de outubro. A Secretaria Mu­nicipal da Saúde de Ribeirão Preto possui, atualmente, 36 salas de vacinas que permane­cem abertas de segunda a sex­ta-feira, em horários variados

A adesão à multivacina­ção também precisa melhorar. Desde 2 de outubro, quando a campanha teve início, apenas 427,3 mil crianças e adolescen­tes de 5 a 14 anos comparece­rem nos pontos para atualiza­ção da carteira vacinal. Destes 188,2 mil tiveram vacinas apli­cadas, representando 44,1%.

O índice de compareci­mento nesta faixa etária está em 6,8%. Na faixa de menores de um ano, 198,1 mil estive­ram nesses serviços (cerca de 32,4% do público alvo), com vacina aplicada em 129,3 mil (65,3% no total). A campanha tem como principal objetivo aumentar a cobertura vacinal e atualizar cadernetas.

Para isso, propõe a aplica­ção de doses de vacinas im­portantes e que podem estar pendentes, garantindo assim a devida proteção contra os vírus que circulam no territó­rio. Para garantir a prevenção contra a poliomielite, pais ou responsáveis por crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos devem levar os peque­nos para receber a “gotinha” (vacina oral, VOP).

Em 17 de outubro, postos de vacinação de todo o estado participaram do “Dia D” da campanha, aplicando milha­res de vacinas em crianças e adolescentes. “É preciso ter a consciência da importância da imunização das nossas crian­ças. Essa é a única forma de prevenirmos diversas doenças graves, que podem ser fatais”, diz o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn.

“Trata-se de uma respon­sabilidade individual e coleti­va”, alerta. “Ao comparecer em um dos postos de vacinação, as famílias são orientadas em relação a todos os tipos de va­cinas disponíveis atualmente no Sistema Único de Saúde (SUS)”, explica a coordenadora do Programa Estadual de Vaci­nação, Helena Sato.

“Campanhas como essa são altamente eficazes na erradica­ção de doenças e na elimina­ção do risco de reintrodução dessas enfermidades em nosso território. No geral, são indica­das coberturas vacinais de 90% e 95% para proteção efetiva da população, e a ampliação da adesão é fundamental para que esses índices sejam alcan­çados”, completa.

Tipos de vacinas
No total, são oferecidas 14 tipos de vacinas que protegem contra cerca de 20 doenças. Tem a BCG (tuberculose), ro­tavírus (diarreia), poliomelite oral e intramuscular (paralisia infantil), pentavalente (difte­ria, tétano, coqueluche, hepa­tite B, Haemophilus influenza tipo b – Hib), pneumocócica, meningocócica, DTP, trípli­ce viral (sarampo, caxumba e rubéola) e HPV (previne o câncer de colo de útero e verrugas genitais), além das vacinas contra febre amarela, varicela e hepatite A.

Além disso, neste ano, também passou a integrar o Sistema Único de Saúde (US) uma nova vacina, já inseri­da na campanha: Meningo ACWY, que protege contra meningite e infecções gene­ralizadas, causadas pela bac­téria meningococo dos tipos A, C, W e Y. Somando todos os tipos de vacinas, são mais de 5,2 milhões distribuídas nos postos do estado para aplicação na população-alvo.