Secretaria da Saúde confirma morte de criança por dengue em Ribeirão Preto

0
601
Mosquito transmissor da Dengue - Divulgação

Titular da pasta reuniu a imprensa na manhã desta quinta-feira (16) para confirmar o óbito de uma criança e conclamar a população na conscientização no combate à doença

Durante coletiva para a imprensa na manhã desta quinta-feira (16), o secretário Municipal da Saúde, Sandro Scarpelini, apresentou os números de casos da doença na cidade em 2020. Uma criança, vítima de dengue, veio a óbito nesta quarta-feira.

“Infelizmente, é uma notícia muito triste, por conta do evento que tivemos ontem à tarde, nós perdemos uma criança acometida por dengue grave. Todos os trâmites foram adotados, mas ela não resistiu”.

A paciente, uma criança do sexo feminino com oito anos de idade, residente em São Simão, estava em Ribeirão Preto, passando férias com o pai.

Na terça feira, (14), a paciente foi levada à UPA – Unidade de Pronto Atendimento da avenida Treze de Maio, com sintomas da doença há cerca de três dias. A criança foi atendida pela equipe e seus exames tiveram resultado NS1 positivo para a doença. Ela recebeu todos os cuidados necessários e teve seu retorno agendado para 11h da quarta-feira (15), na mesma unidade de saúde.

A paciente retornou no horário marcado, quando foram colhidos novos exames, que apresentaram poucas alterações e o médico assistente a liberou para observação em casa.

Cerca de quatro horas após a liberação, a paciente apresentou piora no quadro e foi levada de imediato à UPA, onde chegou em estado crítico. Imediatamente, foram iniciadas as medidas para ressuscitação e transferida rapidamente para Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, onde por volta das 18h foi constatado o óbito.

Durante a coletiva, o secretário afirmou que o caso será investigado detalhadamente. No entanto, as primeiras informações indicam que, na véspera do óbito, a criança teria passado por atendimento médico em São Simão.

“Ainda está em aberto para a investigação se ela contraiu a doença aqui em Ribeirão Preto ou em São Simão. Tecnicamente, para nós, é importante, mas, do ponto de vista humano, não faz diferença. Infelizmente, a evolução da doença foi fulminante, e apesar do atendimento, não foi possível mantê-la viva”, lamentou Sandro Scarpelini.

Ações de combate à dengue em Ribeirão Preto.
Dados atualizados nesta quinta-feira (16), pelo Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde mostram que, em janeiro de 2020, foram notificados e estão sendo investigados 580 pessoas com suspeita da doença na cidade e 120 casos confirmados de dengue em Ribeirão Preto.

A Secretaria Municipal da Saúde está trabalhando além do fluxo normal para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras doenças.

As ações desenvolvidas durante todo o ano pelas equipes de Agentes de Combate às Endemias espalhadas pela cidade, consistem em visitas diárias em residências, comércio, indústria, com trabalho de nebulização, identificação de focos (água parada e objetos potenciais) positivos para proliferação do mosquito transmissor da doença, orientações à população, ações educativas em escolas.

Durante os arrastões de limpeza também promovidos todos os sábados de do segundo semestre de 2019, já foram recolhidas mais de 126 toneladas de criadouros do mosquito. Entre eles, mais de 5 mil pneus. Durante as visitas porta a porta, foram encontrados e eliminados mais de 2.200 focos do mosquito.

Durante os arrastões de limpeza, foram visitados aproximadamente 80 mil imóveis.

Durante o ano inteiro, as equipes de Agentes de Combate a Endemias visitaram mais de 700 mil imóveis.

Somente no último sábado, no Jardim Paiva, durante o trabalho rotineiro de visita casa a casa, foram encontrados 290 focos positivos do mosquito.

O Secretário da Saúde ressaltou ainda que oitenta por cento dos focos do mosquito estão nas residências e a conscientização e colaboração da população no combate à doença, vistoriando nossas casas e eliminando semanalmente focos de água parada, a previsão é eminente o crescimento de casos na cidade.

“Nós tivemos dois anos, 2017 e 2018 muito bons com relação a casos de dengue e na sequência, 2018 muito ruim, com mais de 14 mil casos. Não podemos perder mais ninguém. Infelizmente a perspectiva para 2020 é que tenhamos um ano muito ruim. Se trabalharmos muito bem, conseguiremos evitar, mas se não houver a ajuda da população, poderemos ter um ano piro que 2019”, alertou o titular da pasta.

Comentários