(Rosinei Coutinho/SCO/STF)

A ministra Rosa Weber, vi­ce-presidente do Supremo Tri­bunal Federal (STF) e respon­sável pelo plantão judicial até fevereiro, negou na quinta-feira, 21 de janeiro, pedido de liminar (decisão provisória) para garan­tir a votação remota na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados.

Na segunda-feira (18), a Mesa Diretora da Câmara, por quatro votos a três, definiu que a eleição, marcada para 1º de fevereiro, será somente no for­mato presencial. Um dia depois, o PDT ingressou com mandado de segurança no STF, no qual pediu a liminar para que a vota­ção ocorra em formato híbrido, permitindo o voto remoto ao deputado que assim preferir. A solicitação, entretanto, foi inde­ferida por Rosa Weber.