ALEXEY NASYROV/REUTERS

Onze pessoas morreram e mais de 32 ficaram feridas na manhã desta terça-feira, 11 de maio, durante um ataque a uma escola na cidade rus­sa de Kazan, promovido por dois atiradores. Um deles, um jovem de 19 anos com arma registrada, acabou detido e o outro morreu no confronto com a polícia. Entre os mortos estão estudantes e um profes­sor. O incidente é considerado o mais grave dos últimos anos em uma escola da Rússia.

As autoridades garantem que a situação já está sob con­trole e descartam a hipótese de ação terrorista por parte de uma organização extremista. O cor­respondente da RTP na Rússia, Evgueni Mouravitch, informa que um dos atiradores é ex-alu­no da escola com perturbação mental. O presidente russo, Vla­dimir Putin, determinou a revi­são da lei de porte de armas após o tiroteio em Kazan.

O governador da República do Tartaristão, que tem Kazan como capital, Rustam Minni­khanov, afirmou que oito estu­dantes da oitava série, quatro do sexo masculino e quatro do sexo feminino, estão entre os mortos. Outras doze crianças e quatro adultos foram hospitalizados.

Segundo ele, uma investi­gação está em andamento, mas não foram identificados outros cúmplices até o momento. Ain­da não está claro qual foi o mo­tivo do ataque. A escola fundada em 2006 oferece instrução para 1.049 alunos e é o local onde tra­balham 57 professores.

Testemunhas relataram que ouviram uma explosão dentro da escola, seguida por muita fu­maça. Uma professora confirmou que estava na aula, quando ouviu a explosão e o barulho de tiros. Imagens exibidas por emissoras de televisão mostram dezenas de pessoas do lado de fora do centro de ensino, que foi isolado por policiais e bombeiros.

Oficiais de polícia disseram que algumas crianças foram re­tiradas do prédio imediatamen­te, mas algumas foram mantidas no local. Medidas de seguran­ça adicionais foram implemen­tadas em todas as outras esco­las de Kazan e dos arredores, segundo autoridades.

O Kremlin se pronunciou após o ataque à escola de Kazan. O porta-voz do governo russo, Dmitri Peskov, afirmou que o presidente Vladimir Putin or­denou que as regras de porte e posse de armas no país passem por uma revisão. “O presidente ordenou que se elabore urgen­temente um novo marco sobre o tipo de armas autorizadas para circulação entre a popu­lação civil, tendo em conta o modelo”, disse Peskov.

Imagens e vídeos compar­tilhados nas redes sociais mos­tram supostamente a escola momentos após o ataque, com veículos do serviço de emer­gência estacionados em frente ao local e pessoas correndo em direção ao prédio. Outros vídeos mostram escombros dentro do edifício e supostos estudantes pulando das janelas em meio ao tiroteio.

Tiroteios em escolas são ra­ros na Rússia. Um dos últimos grandes episódios desse tipo ocorreu em 2018 na Crimeia, anexada à Rússia, quando um estudante de uma faculdade ma­tou 19 pessoas antes de apontar sua arma contra si mesmo. Ka­zan é a capital da República do Tartaristão, região de maioria muçulmana que integra a Fe­deração da Rússia, e está loca­lizada a cerca de 725 quilôme­tros a leste de Moscou.