Vereadores ‘liberam’ animais em hospitais

0
78
FOTO: ALFREDO RISK

A Câmara de Vereadores aprovou, na sessão desta terça­-feira, 18 de fevereiro, projeto de lei que permite o ingresso de animais domésticos e de es­timação em hospitais privados, públicos, contratados, conve­niados e cadastrado no Siste­ma Único de Saúde (SUS) de Ribeirão Preto. De autoria do vereador Igor Oliveira (MDB), a proposta estabelece a visita­ção para pacientes internados como forma de contribuir com o processo de recuperação.

O projeto foi aprovado por unanimidade nesta terça-feira (18) – apenas Waldyr Villela (PSD) não compareceu por motivo de saúde. Foram 26 votos a favor. Agora, a propos­ta segue para o prefeito Du­arte Nogueira Júnior (PSDB), que pode sancionar ou vetar a lei. Consideram-se animais domésticos e de estimação aqueles que possam entrar em contato com os seres humanos sem proporcionar-lhes risco, ter atestado de saúde animal mediante avaliação e autori­zação do médico responsável pelo paciente, respeitando o seu quadro clínico.

A visita deverá ter duração e condições pré-determinadas por cada estabelecimento hos­pitalar e só poderá ocorrer se o cão, gato, tartaruga ou outro que se enquadre na lei for trans­portado em recipiente ou caixa adequada para esse fim e em companhia de pessoa que esteja acostumada a lidar com o bicho. O ingresso também poderá ser impedido em casos especiais ou por determinação de Comissão de Controle de infecção Hospi­talar dos serviços de saúde.

Segundo Igor Oliveira, estu­dos científicos comprovam que o relacionamento com o animal de estimação causa a melhora de crianças e adultos, vítimas de distúrbios de comportamento ou de doenças graves. “Animais em ambientes hospitalares são uma realidade em vários paí­ses, como os Estados Unidos. A zooterapia ou terapia assis­tida por animais é utilizada principalmente em crianças, idosos e pessoas internadas”, explica o parlamentar.

O projeto também pro­põe que o Executivo celebre convênios com entidades e mantenha parcerias com os hospitais veterinários, organi­zações não governamentais e estabelecimentos congêneres para estimular a prática da visitação de animais domésti­cos aos pacientes internados.

O Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto tem projeto se­melhante realizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). To­das as sextas-feiras, a UTI rece­be a visita de quatro cachorros do projeto CãoCarinho, que mudam a rotina da unidade e fazem a alegria dos pacientes e da equipe de profissionais que atuam no setor. Fazem parte do grupo Joy e Dante, da raça golden retriever, Francisco, um pug e a pinscher Lili.

Os animais pertencem a fun­cionários do hospital e cedidos para participar do projeto. Fo­ram treinados durante um ano e passaram por um processo de reconhecimento do ambiente hospitalar com duração de mais três meses. Recentemente elas ganharam crachás de identifica­ção como funcionários do Hos­pital das Clínicas.

O projeto foi idealizado pela médica intensivista Maria Auxi­liadora Martins e teve início no final de julho do ano passado, após ela ter tido contato com um projeto semelhante na Mayo Clinic nos Estados Unidos, onde realizou o seu pós-doutorado.

É a chamada Terapia Assis­tida com Animais (TAA) ou Pet Terapia, termo mais usa­do atualmente. A Pet Terapia surgiu em 1792, na Inglaterra, quando Willian Tuke indicou o uso de animais domésticos no tratamento de doentes de um asilo em Londres. Tuke ficou reconhecido mundial­mente através da sua luta pelo tratamento humanizado, em que o projeto com animais se encaixa totalmente.