Tribuna Ribeirão
Geral

Mãe e filha de RP no olho do furacão Irma

Tammy Casquel e Amanda Casquel, mãe e filha, ambas de Ribeirão Preto, mas com resi­dência em Orlando, na Flórida, Estados Unidos, relataram ao Tribuna, por e-mail, a tensão e o medo que sentiram diante da fúria do furacão Irma, que levou pânico e destruição ao sudeste dos EUA. Tammy, que tem dupla cidadania por ser filha de pai norte-americano, pôde ver de perto a natureza rebelada em um dos fenôme­nos climáticos mais marcantes e devastadores da história re­cente daquele país.

Nas palavras da filha Aman­da, estudante de Ciências bio­lógicas, aina é possível sentir os momentos mais sofridos e solidários de quem viveu de perto dias angustiantes. O Irma chegou a atingir ventos de 210 quilômetros por hora na região e deixou mais de um milhão de pessoas sem energia elétrica em Orlando antes de avançar em di­reção da Costa do Golfo, provo­cando inundações catastróficas – cerca de 3,3 milhões de casas e empresas ficaram sem luz em todo o estado da Flórida.

O número de mortos che­gou a 82. Cerca de 1,5 milhão de casas e estabelecimentos comer­ciais permaneceram sem ener­gia depois de cinco dias após a devastação causada pelo furacão Irma no sudeste dos Estados Unidos. O resort Walt Disney World, em Orlando, só reabriu na última terça-feira (12) depois de passar dois dias fechado por força da passagem do furacão, no domingo (10). Foi a sexta vez que o parque foi fechado em 45 anos — a segunda em menos de um ano (o parque também fechou as portas em outubro do ano passado devido à passagem do furacão Matthew).

‘Vi a solidariedade colocada em prática’

Tammy Casquel e Amanda Casquel, mãe e filha, são de Ribeirão Preto, mas atualmente moram em Orlando, na Flórida, Estados Unidos

Amanda Jean Garcia
Vieira Casquel
”Vivenciar um fenômeno de ta­manha magnitude foi algo singular e, realmente, não podemos prever ou controlar a força da mãe natu­reza. Ela toma seus próprios cursos e, mesmo com toda a tecnologia, foi impossível mensurar a extensão dessa catástrofe natural. Acompa­nhei de perto todos os passos que precederam a chegada do furacão Irma: as previsões meteorológicas, pessoas comprando e fazendo seus estoques de água e comida, o trân­sito cada vez mais denso e, uma ine­vitável tensão no ar. Ninguém sabia ao certo o que estava por vir, só sa­bíamos que o perigo era iminente. Entretanto, posso dizer que mesmo diante de toda essa situação a pa­lavra de ordem aqui foi: segurança.

Os veículos de comunicação fizeram um esforço exímio para deixar a população amparada e auxiliar nas tomadas de decisões. Os supermercados reduziram seus preços e distribuíram água gratui­tamente. Os postos de gasolina se mantiveram abertos até o último momento para que todos pudes­sem abastecer. Os pedágios foram liberados para facilitar o trânsito dos carros. Hoteis em outros estados ofereceram estadia gratuita para os refugiados do furacão. Assim, o bem-estar coletivo imperou nestes últimos dias. A organização e o em­penho para garantir que todos ficas­sem sãos e salvos foi emocionante Pude ver de perto a palavra solida­riedade sendo colocada em pratica”.

Postagens relacionadas

Exército volta a autorizar novos CACs

Redação 2

Trecho da rua Pernambuco ficará interditado por 20 dias

Redação 2

Larga Brasa

Redação 1

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Aceitar Política de Privacidade

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com