Tribuna Ribeirão
Geral

Ribeirão Preto – Criminalidade começa o ano em alta

REDES SOCIAIS/ REPRODUÇÃO

Ribeirão Preto registrou mais homicídios, furtos e rou­bos em geral e furtos de ve­ículos em janeiro deste ano, segundo os dados do levan­tamento “Estatísticas da Cri­minalidade”, divulgados pela Secretaria de Estado da Secre­taria da Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP) nesta se­gunda-feira, 25 de fevereiro. A atuação das polícias Civil e Mi­litar resultou no aumento da recuperação de carros, motos e caminhões recuperados. Os casos de estupro caíram, não houve latrocínios e os roubos de veículos ficaram estáveis.

Os furtos de veículos dispa­raram 43% – saltaram de 107 para 153 em janeiro de 2019, aporte de 46. A média diária passou de mais de três para cinco. Em todo o ano passa­do, este tipo de crime contra o patrimônio aumentou 16,8% – passou de 1.488 em 2017 para 1.738, aporte de 250. A média mensal subiu de 124 para 144 e a diária, de quatro para perto de cinco (4,8).

No mês passado, os rou­bos de veículos ficaram pra­ticamente estáveis, com leve queda de 1,4%, baixando de 70 ocorrências para 69, uma a menos em janeiro de 2019, com média diária de dois ca­sos em ambos os períodos. Na comparação anual, este tipo de crime cresceu 1,2%, de 730 em 2017 (média de 60 por mês e dois por dia) para 739 no ano passado (cerca de 61 por mês e dois por dia), nove a mais.

O índice de recuperação de veículos pelas polícias Ci­vil e Militar cresceu 14,5% no primeiro mês de 2019 – era de 110 em janeiro de 2018 (mais de três por dia) e agora chegou a 126 (média diária superior a quatro), com 16 a mais. A alta foi de 7% no ano passado, de 1.162 em 2017 (média men­sal de 97 e diária de três) para 1.244 (ou 103 por mês e mais de três por dia – 3,4), com 82 a mais.

A quantidade de furtos sal­tou de 866 em janeiro de 2018 (média diária de 29) para 925 no mês passado (31 por dia), 59 ocorrências a mais e au­mento de 6,81%. No balanço anual, cresceu 12,7%, de 9.052 ocorrências em 2017 (média mensal de 754 e diária de 25) para 10.201 em 2018 (ou 850 por mês e 28 por dia, mais de um por hora), 1.149 a mais.

Os casos de roubo – quan­do a vítima sofre ameaça (en­tram na estatística os de carga e a bancos) – também cresce­ram em janeiro. Saltaram de 262 no primeiro mês de 2018 (média diária de oito) para 327 no deste ano (dez por dia). No balanço anual, este tipo de cri­me ficou estável, passando de 3.715 para 3.716 (ou 309 por mês e dez por dia), um a mais, leve alteração de 0,02%.

Janeiro de 2019 foi mais violento
Segundo os dados do levantamento “Estatísticas da Criminalidade”, divulgados pela Secretaria de Estado da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP) nesta segunda-feira, 25 de fevereiro, o ano começou mais violento em Ribeirão Preto. Em janeiro foram registrados quatro homicídios na cidade, um a cada oito dias, contra apenas um do mesmo mês de 2018, três mais em 2019 e alta de 300%. Não houve latrocínios em nenhum dos períodos.

Todos os assassinatos foram registrados na Zona Norte – um nos Cam­pos Elíseos (área do 2º Distrito de Polícia) e três na região do Ipiranga (5º DP). O número de vítimas de homicídios registrado em Ribeirão Preto subiu 15% entre janeiro e dezembro do ano passado, em comparação com 2017, saltando de 40 para 46, seis a mais, quase quatro assassi­natos por mês (3,8), um a cada oito dias. A quantidade de latrocínios – roubo seguido de morte – caiu 40%, de cinco para três na comparação entre os períodos, dois a menos.

Em todo o ano passado, foram doze homicídios no Ipiranga (5º Distrito de Polícia) e mais sete nos Campos Elíseos (2º DP), na Zona Norte, além de um latrocínio. Na Zona Oeste são 18 assassinatos – sete homicídios na Vila Tibério (3º DP), nove na Vila Virgínia (6º DP) e mais dois latro­cínios. Na Sul são cinco – dois em Bonfim Paulista (7º DP) e três na cidade, região do Jardim América (4º DP). O Jardim Paulista (8º DP), na Zona Leste, teve quatro homicídios. No Centro (1º DP) foram dois assassinatos, em março.

Estupros
Segundo o levantamento, as denúncias de estupro despencaram 57,1% em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo período de 2018. As ocorrências caíram de 14 (um a cada dois dias) para seis (um a cada cinco dias), oito a menos. No mês passado, foram três envolvendo vulneráveis (crianças ou adolescentes), 50% do total – foram dez nos primeiros 31 dias do ano anterior, 71,4% de todos os casos registrados.

Em todo o ano passado, Ribeirão Preto registrou 121 denúncias de estupro, dez por mês, uma a cada três dias – 66 envolvendo vulneráveis (crianças ou adolescentes), 54,5% do total. O número geral é 9,7% infe­rior aos 134 de 2017 (com 74 de menores, 55,2% do total), 13 a menos em 2018. A quantidade de ocorrências envolvendo menores caiu 10,8%, de 74 para 66, com oito casos a menos. Ribeirão Preto fechou 2017 com 134 acusações, 42,5% acima dos 94 do ano anterior, 40 ocorrências a mais. A média mensal saltou de aproximadamente três (um a cada dez dias) para mais de onze (um a cada 72 horas).

Postagens relacionadas

Aposentado curado de câncer morre em acidente

Redação 4

Especialista dá dica: “Desconfie sempre!”

William Teodoro

Larga Brasa

William Teodoro
Geral

Ribeirão Preto – Criminalidade começa o ano em alta

REDES SOCIAIS/ REPRODUÇÃO

Ribeirão Preto registrou mais homicídios, furtos e rou­bos em geral e furtos de ve­ículos em janeiro deste ano, segundo os dados do levan­tamento “Estatísticas da Cri­minalidade”, divulgados pela Secretaria de Estado da Secre­taria da Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP) nesta se­gunda-feira, 25 de fevereiro. A atuação das polícias Civil e Mi­litar resultou no aumento da recuperação de carros, motos e caminhões recuperados. Os casos de estupro caíram, não houve latrocínios e os roubos de veículos ficaram estáveis.

Os furtos de veículos dispa­raram 43% – saltaram de 107 para 153 em janeiro de 2019, aporte de 46. A média diária passou de mais de três para cinco. Em todo o ano passa­do, este tipo de crime contra o patrimônio aumentou 16,8% – passou de 1.488 em 2017 para 1.738, aporte de 250. A média mensal subiu de 124 para 144 e a diária, de quatro para perto de cinco (4,8).

No mês passado, os rou­bos de veículos ficaram pra­ticamente estáveis, com leve queda de 1,4%, baixando de 70 ocorrências para 69, uma a menos em janeiro de 2019, com média diária de dois ca­sos em ambos os períodos. Na comparação anual, este tipo de crime cresceu 1,2%, de 730 em 2017 (média de 60 por mês e dois por dia) para 739 no ano passado (cerca de 61 por mês e dois por dia), nove a mais.

O índice de recuperação de veículos pelas polícias Ci­vil e Militar cresceu 14,5% no primeiro mês de 2019 – era de 110 em janeiro de 2018 (mais de três por dia) e agora chegou a 126 (média diária superior a quatro), com 16 a mais. A alta foi de 7% no ano passado, de 1.162 em 2017 (média men­sal de 97 e diária de três) para 1.244 (ou 103 por mês e mais de três por dia – 3,4), com 82 a mais.

A quantidade de furtos sal­tou de 866 em janeiro de 2018 (média diária de 29) para 925 no mês passado (31 por dia), 59 ocorrências a mais e au­mento de 6,81%. No balanço anual, cresceu 12,7%, de 9.052 ocorrências em 2017 (média mensal de 754 e diária de 25) para 10.201 em 2018 (ou 850 por mês e 28 por dia, mais de um por hora), 1.149 a mais.

Os casos de roubo – quan­do a vítima sofre ameaça (en­tram na estatística os de carga e a bancos) – também cresce­ram em janeiro. Saltaram de 262 no primeiro mês de 2018 (média diária de oito) para 327 no deste ano (dez por dia). No balanço anual, este tipo de cri­me ficou estável, passando de 3.715 para 3.716 (ou 309 por mês e dez por dia), um a mais, leve alteração de 0,02%.

Janeiro de 2019 foi mais violento
Segundo os dados do levantamento “Estatísticas da Criminalidade”, divulgados pela Secretaria de Estado da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP) nesta segunda-feira, 25 de fevereiro, o ano começou mais violento em Ribeirão Preto. Em janeiro foram registrados quatro homicídios na cidade, um a cada oito dias, contra apenas um do mesmo mês de 2018, três mais em 2019 e alta de 300%. Não houve latrocínios em nenhum dos períodos.

Todos os assassinatos foram registrados na Zona Norte – um nos Cam­pos Elíseos (área do 2º Distrito de Polícia) e três na região do Ipiranga (5º DP). O número de vítimas de homicídios registrado em Ribeirão Preto subiu 15% entre janeiro e dezembro do ano passado, em comparação com 2017, saltando de 40 para 46, seis a mais, quase quatro assassi­natos por mês (3,8), um a cada oito dias. A quantidade de latrocínios – roubo seguido de morte – caiu 40%, de cinco para três na comparação entre os períodos, dois a menos.

Em todo o ano passado, foram doze homicídios no Ipiranga (5º Distrito de Polícia) e mais sete nos Campos Elíseos (2º DP), na Zona Norte, além de um latrocínio. Na Zona Oeste são 18 assassinatos – sete homicídios na Vila Tibério (3º DP), nove na Vila Virgínia (6º DP) e mais dois latro­cínios. Na Sul são cinco – dois em Bonfim Paulista (7º DP) e três na cidade, região do Jardim América (4º DP). O Jardim Paulista (8º DP), na Zona Leste, teve quatro homicídios. No Centro (1º DP) foram dois assassinatos, em março.

Estupros
Segundo o levantamento, as denúncias de estupro despencaram 57,1% em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo período de 2018. As ocorrências caíram de 14 (um a cada dois dias) para seis (um a cada cinco dias), oito a menos. No mês passado, foram três envolvendo vulneráveis (crianças ou adolescentes), 50% do total – foram dez nos primeiros 31 dias do ano anterior, 71,4% de todos os casos registrados.

Em todo o ano passado, Ribeirão Preto registrou 121 denúncias de estupro, dez por mês, uma a cada três dias – 66 envolvendo vulneráveis (crianças ou adolescentes), 54,5% do total. O número geral é 9,7% infe­rior aos 134 de 2017 (com 74 de menores, 55,2% do total), 13 a menos em 2018. A quantidade de ocorrências envolvendo menores caiu 10,8%, de 74 para 66, com oito casos a menos. Ribeirão Preto fechou 2017 com 134 acusações, 42,5% acima dos 94 do ano anterior, 40 ocorrências a mais. A média mensal saltou de aproximadamente três (um a cada dez dias) para mais de onze (um a cada 72 horas).

Postagens relacionadas

Condomínios buscam combater violência contra mulher na pandemia

Redação 1

Dilma tenta, mas não consegue visitar Lula

Redação 1

Quase 8 milhões de brasileiros foram vítimas de fraudes no último ano

Redação 1

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Aceitar Política de Privacidade

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com