RAFAEL LAMPERT ZART

O ministro da Cidadania, João Roma, disse nesta quar­ta-feira, 28 de julho, que o go­verno deve enviar até o início de agosto uma medida provi­sória reformulando programas sociais. Após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Roma disse pretender que o novo programa tenha o maior valor “possível.

“O valor médio do progra­ma será tratado com a área econômica mais à frente. O presidente falou em reajuste de 50% (em relação ao Bolsa Fa­mília). Pretendemos isso ou até mais”, afirma. De acordo com o ministro, a ideia do governo é lançar, em novembro, um novo programa de transferên­cia de renda reunindo ações e programas já existentes.

Como o Bolsa Família e o programa de aquisição de ali­mentos. Também, pretende ampliar o número de atendidos para 17 milhões. Atualmente, o programa beneficia 14,5 mi­lhões de brasileiros. Segundo o ministro, o novo programa incluirá ainda ferramentas de capacitação e microcrédito.

O Ministério da Cidadania suspendeu mais uma vez os procedimentos operacionais e de gestão do Bolsa Família e do Cadastro Único. O objetivo da portaria nº 649/2021, publica­da no Diário Oficial da União, é contribuir com ações de dis­tanciamento social.

A partir da nova portaria, ficam suspensos por mais 180 dias os processos de averigua­ção e revisão cadastral e, conse­quentemente, as repercussões previstas no Bolsa Família, na Tarifa Social de Energia Elé­trica (TSEE) e no Benefício de Prestação Continuada da As­sistência Social (BPC).