REUTERS/CNSA

A Administração Espacial da China divulgou nesta sexta­-freira, 11 de junho, uma ima­gem panorâmica de 360 graus e duas fotografias a cores da superfície de Marte e dos dis­positivos da sonda Tianwen-1, que chegou ao planeta verme­lho em 15 de maio.

A imagem mostra os arre­dores da zona de pouso, um terreno plano e pedregoso, e foi registrada pelo veículo Zhurong – uma homenagem ao Deus do Fogo da antiga mitologia chinesa. A super­fície próxima é relativamente plana, com pedras lisas, de cores claras e de diferentes tamanhos, espalhadas e se­mienterradas, informa.

“Há um buraco no fundo com pedras mais escuras e an­gulares na margem”, detalha a Administração Espacial da China em comunicado. A ima­gem também mostra a ram­pa de descida para o terreno marciano e a parte traseira do Zhurong, com painéis solares. “A abundância e o tamanho das pedras correspondem às expectativas”, diz a nota.

A outra fotografia mostra a plataforma de aterrissa­gem, com a rampa de descida do Zhurong e uma bandeira chinesa desfraldada. No final da rampa, podem ser vistas as marcas deixadas pelo veí­culo na superfície marciana, que formam um círculo. Na terceira imagem, o Zhurong afastou-se da câmara des­cartável, que normalmente carrega no porão, e recuou alguns metros.

Assim, tanto o veículo quanto a plataforma podem ser vistos mais ao fundo. “A imagem foi transmitida sem ligação por fio ao veículo, que então a reencaminhou para a Terra por meio do módulo de órbita”, detalhou o texto. De acordo com a agência chi­nesa, o módulo de órbita está em boas condições, e o veículo opera na superfície de Marte há 28 dias marcianos.

O Zhurong faz parte da missão chinesa Tianwen-1, que partiu para o espaço em julho de 2020 e cuja sonda de pouso atingiu a superfície do planeta em 15 de maio, na par­te sul da chamada Utopia Pla­nitia, uma planície localizada no hemisfério norte.

Tianwen-1 é a primeira missão de exploração da China a Marte e a primeira na histó­ria a combinar viagem, entrada em órbita e descida numa úni­ca missão. Cientistas chineses pretendem encontrar mais evidências da existência de água ou gelo no planeta, bem como realizar pesquisas so­bre a composição material da superfície ou sobre as carac­terísticas do clima.