A tireoide é uma glândula que tem o formato de uma borbo­leta e fica localizada na base do pescoço. Apesar de pequena, essa glândula desempenha um papel de grande importância para o funcionamento normal do corpo. Ela é uma espécie de “coor­denadora” de diversos órgãos do corpo, pois esses dependem diretamente dos hormônios produzidos por ela.

Mas como qualquer órgão do corpo humano a tireoide tam­bém é capaz de ter as suas doenças e entre elas a mais grave é, certamente, o câncer que nela pode se desenvolver. E as doenças da tireoide são atualmente de fácil diagnóstico, graças a estudos intensos realizados por pesquisadores notadamente do Reino Unido, Estados Unidos, Europa Ocidental, China e Japão.

A grande dificuldade na detecção de câncer, em suas diversas formas, é o fato de que, principalmente no começo, a pessoa não sente nada e a doença vai progredindo ininter­ruptamente.No Brasil temos registro de cerca de 150 mil casos novos por ano de câncer de tireoide. E já é do conhecimento da ciência, o fato de que, sua origem se deva a fatores genéticos (familiares) ou ambientais.

Um sinal que traz preocupação para a pessoa é a descoberta de um caroço (que nós médicos chamamos de nódulo) no pescoço. No entanto, essa descoberta não deve se constituir em fonte de preocu­pação, pois cerca de 90% dos nódulos descobertos no pescoço das pessoas não são cânceres, mas mesmo assim, é preciso que a pessoa faça uma consulta de rotina já direto com um médico endocrinolo­gista ou então com um médico especialista em cirurgia de cabeça e pescoço ou ainda com um médico clínico geral, que é quase sempre, a porta de entrada para um correto tratamento dos distúrbios do corpo humano.

Só 10% dos caroços descobertos no pescoço das pessoas são tumores (câncer). E esses 10% ainda se dividem nos quatro tipos de câncer existentes na tireoide. O câncer de tireoide é duas vezes mais frequente nas mulheres que nos homens sendo que o mais comum deles é o chamado papilífero que chega a 80% dos casos.

Esse é de evolução lenta, sem sintomas pelo menos no começo e sua descoberta ocorre quase sempre em exames de rotina ou a própria pessoa ao palpar o pescoço durante o banho, consegue detectar a presença de um pequeno caroço no pescoço. A idade em que ele aparece vai dos 30 aos 50 anos, mas trabalhos recentes da literatura médica mostra que ele pode ocorrer em idade mais jovem ou também acima dos 50.

O câncer de uma maneira geral e o de tireoide em particular, quando detectado no começo, tem grande chance de se ter uma cura completa. No caso do tumor papilífero a cura definitiva nessas circunstâncias pode chegar a quase 100%.

O câncer de tireoide chamado de folicular é o segundo mais co­mum, chegando a atingir de 10 a 15% e é capaz de se espalhar para os pulmões e ossos sendo que a cura definitiva pode chegar a 95% principalmente na faixa etária mais jovem.

O tumor de tireoide chamado medular é mais raro, com cerca de só 5% dos casos, sendo que a pessoa pode sobreviver por cerca de dez anos após o diagnóstico e quando tratado com todos os recursos apropriados.

Uma característica do câncer de tireoide chamado medular é que ele pode acometer vários membros de uma mesma família, sendo nesses casos manter a família em observação contínua para se detectar precocemente o aparecimento desse tipo de doença.

O quarto tipo de câncer de tireoide é o chamado de anaplá­sico, que é o mais grave (agressivo) e que felizmente é o mais raro, chegando só a 2% dos tumores da tireoide. (Continua na próxima semana)

Comentários