Estado mantém RP na fase vermelha

0
65
ALFREDO RISK

Nesta sexta-feira, 3 de ju­lho, o governador João Doria (PSDB) anunciou que Ribei­rão Preto e as demais 25 cida­des da área de abrangência do 13º Departamento Regional de Saúde (DRS XIII) continuarão na fase vermelha do Plano São Paulo até 14 de julho.

Caso Ribeirão Preto avance para a laranja, o prefeito Du­arte Nogueira Júnior (PSDB), secretários municipais e inte­grantes do Comitê Técnico de Enfrentamento da Covid-19 e do Grupo de Transição de Retomada (GTR) vão se reu­nir novamente com os pro­motores do Ministério Públi­co Estadual (MPE) MPE para definir como será a volta das atividades.

Na fase laranja podem abrir o comércio em geral (da região central, dos bairros e corredo­res em avenidas) e dos quatro shopping centers da cidade – RibeirãoShopping, Santa Úr­sula Shopping, Shopping Igua­temi e Novo Shopping.

Também podem abrir concessionárias de veículos, imobiliárias e escritórios de advocacia, arquitetura e en­genharia e de contabilidade, entre outros, mas com regras rígidas – horário reduzido, flu­xo de pessoas controlado e res­peitando as medidas sanitárias e de prevenção ao coronavírus. O Plano São Paulo tem cinco fases, diferenciadas por cores, e Ribeirão Preto está na mais restritiva, a vermelha, na qual apenas os serviços essenciais podem atender.

Neste grupo estão os su­permercados, padarias, açou­gues, bares, lanchonetes e restaurantes (desde que não haja consumo no local), far­mácias, drogarias, bancos (seguindo as regras de dis­tanciamento e higienização), postos de combustíveis, ser­viços de limpeza, segurança, transporte (ônibus, táxis e aplicativos) e abastecimento.

O DRS XIII é formado por Ribeirão Preto, Altinópolis, Barrinha, Batatais, Brodowski, Cajuru, Cássia dos Coqueiros, Cravinhos, Dumont, Guariba, Guatapará, Jaboticabal, Jardi­nópolis, Luis Antônio, Monte Alto, Pitangueiras, Pontal, Pradópolis, Santa Cruz da Esperança, Santa Rosa de Vi­terbo, Santo Antônio da Ale­gria, São Simão, Serra Azul, Serrana e Sertãozinho.

Faixa amarela
João Doria anunciou nesta sexta-feira os protocolos de re­abertura e funcionamento dos setores de eventos, espetáculos culturais, restaurantes, acade­mias e salões de beleza. Mu­seus, galerias, acervos, centros culturais, bibliotecas, cinemas, teatros e casas de espetáculo poderão reabrir parcialmente na fase amarela, assim como eventos culturais com público sentado e lugar marcado.

O início de atividades cul­turais, eventos e convenções com público sentado será au­torizado após 28 dias consecu­tivos da região na fase amarela. Para estes setores, será neces­sário ter ocupação máxima de 40% da capacidade do local, funcionamento máximo de seis horas por dia, público sen­tado, assentos com distancia­mento mínimo de 1,5 metro e uso obrigatório de máscara.

A venda de ingressos deve ser exclusivamente online, para assentos marcados e horários pré-agendados e será necessá­rio controlar o acesso e o nú­mero de pessoas, observando a lotação máxima. O consumo de alimentos e bebidas deverá ser suspenso, garantindo que todos mantenham o uso das máscaras. Grandes eventos e demais atividades culturais que geram aglomeração serão autorizados após 28 dias con­secutivos do Estado de São Paulo na fase verde.

As medidas incluem ocu­pação máxima de 60%, uso de máscara e marcações para de­limitar a distância entre as pes­soas (que poderão ficar em pé). As vendas de ingresso devem ser exclusivamente online, com horários pré-agendados e será necessário haver controle do acesso e o número de pessoas, observando a lotação máxima.
Possibilidades de atendimento
Na fase amarela, existi­rão duas possibilidades de atendimento: funcionamento máximo por quatro horas di­árias ou funcionamento má­ximo por seis horas diárias por quatro dias, desde que não haja atendimento pre­sencial nos outros três dias.

Restaurantes e bares
O Plano São Paulo atuali­zou as medidas de segurança para o consumo em restauran­tes, bares e similares, que per­mite aos que tenham ambientes arejados que possam oferecer a opção de consumo local.

É necessário que a ocupa­ção máxima seja de 40% da capacidade dos assentos.

O funcionamento tem de ocorrer por no máximo seis horas, até as 17 horas. Clien­tes e funcionários devem usar máscara em todos os ambien­tes. O atendimento presencial se limitará a ambientes ao ar livre ou arejados, com obriga­toriedade de assentos.

Academias e salões de beleza
Academias serão reabertas na fase amarela, com ocupação máxima de 30% da capacida­de, funcionamento máximo por 6 horas diárias, uso obri­gatório de máscaras e entrada de clientes apenas com agen­damento prévio.

Serão permitidas apenas aulas e práticas individuais e os equipamentos devem ser limpos ao menos três vezes ao dia. As academias deverão sus­pender o uso de chuveiros nos vestiários, mantendo apenas os banheiros abertos.

Salões de beleza também poderão funcionar na fase amarela, com ocupação má­xima de 40% da capacidade, funcionamento máximo por seis horas diárias, uso de más­caras e adoção de protocolos geral e específicos para o se­tor. Especialistas do Centro de Contingência do coronavírus ressaltam que pessoas conside­radas como grupo de risco, tais como os maiores de 60 anos e portadores de doenças crô­nicas, devem permanecer em isolamento social.