DIVULGAÇÃO

Achar um lugarzinho va­zio e mágico em meio a um destino badalado é o sonho de muitos viajantes, e ganhou um valor ainda mais especial na atual crise sanitária. Se o turismo nos ensina algo, é que é possível encontrar be­leza nos lugares mais ines­perados – inclusive os mais decadentes.

A Civitatis, empresa es­pecializada em vendas de excursões e atividades turís­ticas em mais de 130 países pelo mundo, fez uma seleção incomum para inspirar sua próxima viagem: alguns luga­res abandonados mais boni­tos do mundo.

Vamos dividir essas indi­cações em duas publicações, nesta e no próximo domingo. Descubra agora alguns dos refúgios mais secretos do tu­rismo global nesta lista.

Fordlândia (Aveiro, Brasil)

DIVULGAÇÃO

Fordlândia é uma vila abandonada, fundada pelo famoso em­presário norte-americano Henry Ford em 1927 no meio da Amazônia, no estado do Pará. A cidade era, na verdade, um complexo industrial do ramo da borracha, composto por fábri­cas e pelas residências dos trabalhadores. O objetivo do em­preendimento era fornecer matéria-prima para a fabricação de pneus, destinados aos carros produzidos pelo norte-ameri­cano. Quando Ford faleceu, em 1947, a indústria foi fechada. Mas ainda hoje é habitada por moradores locais, que convi­vem com as ruínas do sonho americano.

Elevador de Gordejuela (Tenerife, Espanha)


Um dos lugares mais bonitos (e desconhecidos) da ilha de Tenerife, nas Canárias, são as ruínas do elevador de águas de Gordejuela, em Los Realejos. Esse grande complexo cons­truído no início do século XX tinha como principal objetivo bombear água para as planta­ções de banana na ilha. Atualmente, a construção resiste imponente diante das ondas do Atlântico, compondo um cartão-postal um tanto quanto decadente, que impressiona logo à primeira vista.

Farol Rubjerg Knude Fyr (Dinamarca)


Um dos lugares que não se pode deixar de conhecer ao visitar a Dinamarca é o farol Rubjerg Knude Fyr. Esta imponente construção quase enterrada na areia é um dos grandes atrativos da costa norte do país. Sua localização estratégica, à beira de um desfiladeiro, faz com que essa torre de 23 metros de altura tenha vistas simplesmente mágicas. A erosão característica da região, porém, ameaça derrubar o farol com o passar do tempo, o que torna a visita ainda mais urgente. Vale a pena!

Castelo Bannerman (Nova York, EUA)


Em pleno rio Hudson, cercado por uma das principais metrópoles do mundo, fica um curioso pe­daço de história e ostentação, longe das luzes cintilantes da Big Apple. Trata-se do Castelo de Bannerman, um luxuoso edifício em ruínas na ilha rochosa de Pollepel. Seu proprietário, o escocês Francis Bannerman, criou uma empresa de material militar no início do século XX e comprou esta ilha em Nova York para transformá-la em um depósito seguro para as armas e seu arsenal. Hoje, a ilha e o castelo abandonado oferecem uma beleza tão cativante quanto singular.