MARCELLO CASAL JR./AG.BR.

A Associação Paulista de Magistrados (Apamagis) aca­ba de apresentar dados sobre a JUSBarômetro, uma pesquisa inédita encomendada ao Ins­tituto de Pesquisas Sociais, Po­líticas e Econômicas (Ipespe) para avaliar a visão da socieda­de sobre o Judiciário paulista.

A pesquisa revela que 58% das pessoas que já recorreram ao Judiciário confiam na ins­tituição. Quarenta e cinco por cento dos entrevistados que nunca se utilizaram dos serviços da Justiça de São Paulo também manifestaram confiança.

“Quanto mais a população conhece e se utiliza do Judi­ciário, mais elevado é o grau de confiança que nele depo­sita”, destaca a presidente da Apamagis, Vanessa Mateus. O estudo desenvolvido pelo Ipesp aponta um dado preo­cupante, na avaliação da pre­sidente da associação: apenas 14% dos entrevistados se jul­gam bem informados sobre o funcionamento do Judiciário.

“Esse dado é relevante, quando comparamos o grau de confiança em média no Poder Judiciário e o grau de confiança entre as pessoas bem informadas. Se em mé­dia a confiança no Judiciário gira em 49%, entre as pessoas que se declaram bem informa­das e confiam na Justiça esse número aumenta para 62%, o que significa que o Judiciário precisa melhorar a comunica­ção com a sociedade, ser mais transparente para elevar o ní­vel de confiança”, constata.

JUSBarômetro ainda des­taca a importância da Justiça capilarizada: “A Justiça em São Paulo goza de maior confiança do que a federal. Isso demons­tra que a capilaridade da Justiça aumenta o grau de confiança da população”, afirma a presidente da Apamagis. O estudo também indica que 81% dos entrevis­tados usuários dos serviços da Justiça paulista demonstraram satisfação com o atendimento recebido dos funcionários.

Outros 76% disseram estar satisfeitos com as instalações das varas, juizados e do Tri­bunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP); e 71%, com o com­portamento do juiz. Segundo Vanessa Mateus, JUSBarôme­tro indica “um caminho a ser trilhado, que é o do conhe­cimento da população sobre o Judiciário para que ela for­me sua visão de forma justa e transparente”.

Essa primeira de três edi­ções da JUSBarômetro foi re­alizada entre 26 e 30 de abril, com uma amostra de mil en­trevistados no Estado de São Paulo, segundo as caracterís­ticas socioeconômicas demo­gráficas da população com uma margem de erro máxima de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos.