Jornal Tribuna Ribeirão
Artigos

Polarização x equilíbrio

A história humana é como uma onda que se abate na areia e volta para o mar. Entre fluxos e refluxos se debate a huma­nidade. (G.Vico) Como nunca na história, nosso mundo é fustigado pelas ondas de um mar revolto. Só o equilíbrio, o bom senso e o diálogo poderão nos levar para a calmaria, necessária para o progresso.

No Brasil nosso mandatário iniciou o governo anunciando querer destruir a oposição e tudo parece seguir esse seu projeto de confronto que está levando a pátria amada para o caos.
Fiéis adeptos do discurso do ódio aplaudem a todas a mani­festações de ignorância e de embate para destruir as instituições democráticas que, bem ou mal, regem o país.

Na onda do fanatismo baseado em fake news entra também parte do clero que já se distinguiu pela cultura humanística e teológica, que hoje, para muitos, está relegada nas bibliotecas.

Qual seria a razão da polarização que leva a humanidade às lutas e guerras?

A direita quer destruir a esquerda e vice versa, as duas, po­rém, são vertentes necessárias que, quando baseadas no equilí­brio, geram progresso.

Esquerda e direita encontram suas raízes na própria natureza humana. A criança nasce com instinto da conservação. Chora para defender sua existência. Aos poucos surge nela o instinto do relacionamento e do altruísmo. Assim a pessoa humana defen­de o próprio ser e se expande no altruísmo. Somos indivíduos indivisíveis, porém abertos para o outro. Somos seres dominados pelo ego e pela necessidade do relacionamento.

Esquerda e direita surgem da essência ontológica, inatas do ser humano. Ambas são necessárias para a proteção do indivi­duo, de seu relacionamento e expansão.

Até o começo do século passado comia-se frango no só Natal, com o capitalismo, muitos podem comer frangos todos os dias.

O capitalismo, porém, sozinho torna-se selvagem e ao fe­char-se em si mesmo, abre as portas para uma minoria sempre mais minuta de grandes ricaços com a exclusão da maioria da população.

A esquerda sozinha, por sua vez, ao bradar pela igualdade, tenta eliminar o capitalismo e torna-se, muitas vezes, ditadu­ra, onde os governantes viram donos do capital e o povo fica a chupar dedo.

Neste conflito, que parece não ter fim, levantasse a voz do evangelho que através do Papa Francisco chama o mundo para reflexão, o equilíbrio e a paz. O Espírito de Deus que não é monopólio nem do Vaticano e nem de Igreja alguma, paira também no coração de muitas pessoas do bem e até daqueles que rejeitam qualquer religião. Inspira movimentos humanos e políticas sociais para conciliar direita e esquerda. Assim algumas nações do norte da Europa, que também passaram por crises de extrema pobreza, estão conciliando direita e esquerda, capitalis­mo e socialismo.

Temos também singelos exemplos de políticos como da chanceler Angela Merkel e de José Mujica. Angela lava sua própria roupa e o ex-presidente do Uruguai dirige seu velho fusca. Estes mostram caminhos a ser seguidos, mesmo sem precisar que o presidente da república deva necessariamente lavar suas roupas.

Hoje nações, como Noruega e Suécia, onde há mais paz social, baseada em justa distribuição da riqueza, poderiam ser imitadas para construir um mundo, pacificado entre direita e esquerda, capitalismo e socialismo, sem necessidade de lutas e de um querer destruir o outro, ou de insuflar cidadãos a comprar fuzis para guerra civil.

Mais notícias

São Paulo moderniza a educação pública

Redação 1

Como cuidar bem do seu coração – parte 04

Redação 1

‘Um abajur cor de carne’

Redação 1

A pobreza

Redação 1

O rato

Redação 1

Nova estrutura da educação

Redação 1
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com