RP reduz meta de vacinação

0
61
ALEXANDRE DE AZEVEDO/CCS

O governo de São Paulo começou a entregar na quarta­-feira, 20 de janeiro, mais 125 mil doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Life Science e produzida no Brasil pelo Ins­tituto Butantan, para mais 75 destinos. Ribeirão Preto recebeu 24.720 ampolas para a primeira e segunda dose.

Essas 24.720 ampolas de CoronaVac, somadas às 6.520 enviadas ao Hospital das Clí­nicas de Ribeirão Preto na ter­ça-feira (19), totalizam 31.240 unidades, o número permite imunizar 15.620 profissionais da saúde e idosos nos próximos dias, metade dos 32 mil previs­tos no cronograma original.

Na manhã desta quinta-feira (21), quatro servidores da saúde foram vacinados na Unidade Básica de Saúde Doutor Ítalo Barueri, a UBS do Castelo Bran­co, na Zona Leste. O prefeito Duarte Nogueira e o secretário municipal da Saúde, Sandro Scarpelini, participaram da ceri­mônia simbólica.

A auxiliar de enfermagem Maria Aparecida Correa da Costa, mais conhecida como Ci­dinha, foi a primeira funcionária da saúde a receber a vacina, se­guida pelo motorista Benedito Roberto Gonçalves de Carvalho, do Serviço de Atendimento Mó­vel de Urgência (Samu), pela en­fermeira responsável pelo Polo Covid-19 Alessandra Medeiros e do técnico de enfermagem Ar­mindo Lucio Alves Ferreira.

A prefeitura de Ribeirão Pre­to esperava vacinar 32 mil pro­fissionais de saúde dos setores público, privado e filantrópico a partir de segunda-feira, 25 de janeiro, mas este número será reduzido pela metade devido à falta de imunizantes.

O secretário explica que as doses do lote de 24.720 vão atender quem atua na linha de frente no combate a covid-19, em duas etapas. “Vamos cum­prir a primeira orientação do Ministério da Saúde”. Segundo ele, 50% das ampolas vão para os hospitais públicos (com ex­ceção do HC) e 50% para os filantrópicos e particulares.

Scarperlini ressalta que serão vacinados os profissionais que atuam nas unidades de pronto atendimento e nas Unidades Bá­sicas de Saúde (UBS’s). Nogueira exemplificou: “Profissionais de unidades de terapia intensiva (UTIs), profissionais que aten­dem diretamente a população e motoristas que realizam trânsito de paciente terão prioridade”.

Vacina para idosos
De acordo com Scarpelini, os profissionais da área admi­nistrativa, quem não têm con­tato direto com pacientes da covid-19 ou aqueles que atuam no atendimento controlado e agendado não receberão a vaci­na agora. Sobre novas remessas de lotes, que atenderia princi­palmente idosos, Nogueira dis­se que ainda não tem previsão. “Ninguém sabe quando vão chegar novos lotes. Ninguém pode responder”, afirma.

Segundo o ministro da Saú­de, Eduardo Pazuello, os insu­mos devem chegar da China em 10 de fevereiro, mas o governo tenta antecipar a remessa. Até a noite desta quinta-feira, cer­ca de 1.000 trabalhadores das unidades Campus e de Emer­gência do Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina de Ri­beirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP/USP) haviam sido vacinados. A pri­meira a receber a CoronaVac na cidade foi a técnica de enfer­magem Maria Luci dos Santos, a Malu, de 44 anos.

O Butantan enviou 6.520 doses para o HC imunizar en­fermeiros, auxiliares e técni­cos de enfermagem. Ou seja, 3.260 profissionais receberão as duas doses em um interva­lo de 21 dias. O Hospital das Clínicas tem 5.972 servidores, e a prioridade é para quem atua diretamente com os pa­cientes de covid-19.

A campanha de imunização contra a covid-19 em São Pau­lo será desenvolvida segundo a disponibilidade das remessas do órgão federal. À medida que o Ministério da Saúde viabilizar mais doses, as novas etapas do cronograma e públicos-alvo da campanha de vacinação contra o coronavírus serão divulgadas pelo governo estadual.

RP começa a imunizar idosos em lares e asilos
Ribeirão Preto pretendia vacinar 150.275 pessoas contra o coronavírus até 16 de março. Para isso, preci­saria de 300.550 ampolas, já que a vacinação será feita em duas doses, com o intervalo de três semanas entre a primeira e a segunda aplicação. Porém, o calendário pode ser alterado por causa da falta de matéria-prima para produção de imunizantes.

A prefeitura diz que a cidade já está preparada com logística, insumos e estratégias traçadas. A imunização de idosos depende de novas remessas. Inicialmente, pessoas com 75 anos ou mais receberian a primeira dose da CoronaVac a partir de 8 de fevereiro, mas vai depender da produção ou importação de vacinas.

Com parte das 24.720 doses enviadas nesta sema­na, a Secretaria Municipal da Saúde lançou a imuniza­ção das pessoas que vivem em asilos, lares e casas de repouso. São cerca de 1.900 idosos e profissionais que trabalham nessas entidades e receberão as duas doses (3.800). Cerca de 84% das mortes por covid-19 na cidade são de pessoas com mãos de 60 anos.

Este público-alvo será imunizado de duas maneiras. Em 69 dos 89 asilos e casas de repouso da cidade a vacina será aplicada pelos profissionais de enfermagem das próprias unidades, que também estão sendo imu­nizados. A prefeitura diz que a cidade já está preparada com logística, insumos e estratégias traçadas.

Nos outros 20 ela será feita em visitas programa­das de profissionais de Secretaria Municipal da Saúde. Segundo nota enviada ao Tribuna pela assessoria de imprensa da pasta, “neste primeiro lote estão incluídos os idosos institucionalizados, que hoje , contando com os trabalhadores desses locais, totalizam cerca de 1.900 pessoas”.

“Encaminharemos aos hospitais públicos, filan­trópicos e privados 50% do montante recebido para aplicação da primeira dose”, reforça. O município conta hoje com cerca de 126 mil seringas e 150 mil agulhas, em estoque e utilizadas nas rotinas de atendimentos aos munícipes, mas já reservou espaço na Central de Vacinas para receber 760 mil seringas e agulhas da Secretaria Estadual de Saúde.

Fazem parte do público-alvo pessoas com mais de 60 anos de idade e profissionais de saúde. Este contin­gente foi escolhido por ter o maior número de provoca­das pela covid-19. A vacinação nos postos para idosos será realizada de segunda-feira a sábado, das sete às 17 horas, quando houver imunizantes disponíveis.

No total, trabalharão na imunização 606 profissio­nais de saúde. São 42 enfermeiros, 282 auxiliares de enfermagem e 282 agentes comunitários de saúde. Todo o processo de vacinação será controlado e registrado no Sistema Hygia do Sistema Único de Saúde (SUS).

O Plano Municipal de Imunização contra a Covid-19 contempla pontos fixos nas salas de vacinação de 35 Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) da rede municipal de saúde e mais seis pontos alternativos. Os hospitais particulares da cidade e a Câmara de Vereadores tam­bém se ofereceram para dar apoio à campanha.

Calendário original se não houver mudança

DIA 19 DE JANEIRO
Segunda dose em 9 de fevereiro *
Público-alvo
Profissionais de saúde dos
setores público, privado e filantrópico
Meta…………………………………………………….. 32.000 pessoas

DIA 8 DE FEVEREIRO
Segunda dose em 1º de março
Público-alvo
Idosos com 75 anos ou mais
Meta…………………………………………………….. 32.806 pessoas

DIA 15 DE FEVEREIRO
Segunda dose em 8 de março
Público-alvo
Idosos entre 70 a 74 anos
Meta…………………………………………………….. 21.269 pessoas

DIA 22 DE FEVEREIRO
Segunda dose em 16 de março
Público-alvo
Idosos de 65 a 69 anos
Meta’……………………………………………………. 28.663 pessoas

DIA 1º MARÇO
Segunda dose em 22 de março **
Público-alvo
Idosos de 60 a 64 anos
Meta…………………………………………………….. 35.537 pessoas

Total do público-alvo……………………………….150.275 pessoas

* Únicas datas já definidas
** Objetivo é terminar em 16 de março, seis dias antes