Tribuna Ribeirão
Saúde

Tabagismo matou 7,7 mi em 2019

JF PIMENTA/ARQUIVO

O tabagismo matou 7,7 mi­lhões de pessoas em 2019, ano em que o número de fuman­tes aumentou para 1,1 bilhão, mostram estimativas mundiais divulgadas nesta sexta-feira, 28 de maio, acrescentando que 89% dos novos fumantes fica­ram dependentes aos 25 anos. As estimativas são divulgadas pela revista médica The Lan­cet, que publica três estudos com dados sobre a prevalência do tabagismo em 204 países.

O público-alvo dos estudos são homens e mulheres com 15 ou mais anos, incluindo a idade de iniciação ao cigarro, as doenças associadas e riscos entre fumantes e ex-fumantes. Impostos mais altos sobre o tabaco, fim da adição de sabo­res, como mentol, em todos os produtos contendo nicotina, proibição da publicidade ao tabaco na internet, incluindo as redes sociais, e mais espaços livres para fumar são medidas apontadas para prevenir o ta­bagismo entre os mais jovens.

Os estudos, sintetizados em um comunicado da The Lancet, são publicados às vés­peras do Dia Mundial Sem Tabaco, que será comemorado na segunda-feira (31). A Chi­na lidera a lista dos dez países com mais fumantes em 2019, totalizando 341 milhões de consumidores: um em cada três fumantes no mundo vivia há dois anos na China.

Depois da China, seguem-se Índia, Indonésia, Estados Uni­dos, Rússia, Bangladesh, Japão, Turquia, Vietnam e Filipinas. Juntos, esses países representam quase dois terços da população mundial de fumantes. Cerca de 87% das mortes mundiais asso­ciadas ao cigarro ocorreram en­tre fumantes ativos. Apenas 6% dos óbitos envolveram pessoas que tinham deixado de fumar há pelo menos 15 anos.

Em 2019, o tabagismo este­ve ligado a 1,7 milhão de mor­tes por isquemia cardíaca, a 1,6 milhão de mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica, a 1,3 milhão por câncer da traqueia, brônquios e pulmão e a quase 1 milhão de mortes por acidente vascular cerebral. Segundo estudos anteriores, pelo menos um em cada dois fumantes de longo prazo mor­rerá de causas diretamente re­lacionadas com o tabagismo, sendo que eles têm perspectiva média de vida dez anos infe­rior à dos que nunca fumaram.

Globalmente, um em cada três homens e uma em cada cinco mulheres fumava, em 2019, o equivalente a 20 ou mais cigarros por dia. De acor­do com as estimativas divulga­das pela The Lancet, no mes­mo ano havia 155 milhões de fumantes entre os 15 e 24 anos.

Em países como Bulgária, Croácia, Letônia, França, Chile e Turquia e na região autônoma dinamarquesa da Groenlândia, mais de um em cada três jovens fumavam. Índia, Egito e Indoné­sia registraram os maiores au­mentos no número de homens jovens fumantes, enquanto Turquia, Jordânia e Zâmbia os maiores aumentos no número de mulheres jovens fumantes, uma vez que “o progresso na redução da prevalência do ta­bagismo não acompanhou o aumento da população”, acen­tuando o crescimento de fu­mantes jovens.

Mundialmente, em média, as pessoas começam a fumar regularmente aos 19 anos. Na Dinamarca, país mais “pre­coce”, a idade média é 16,4 anos e no Togo, 22,5 anos. Na maioria dos países, a idade mínima legal para comprar cigarro é 16 ou 18 anos. Nos Estados Unidos, Uganda, Honduras, Sri Lanka, Samoa e Kuwait é 21 anos.

Um dos estudos estima que 273,9 milhões de pesso­as usaram em 2019 tabaco de mascar (tabaco moído), que aumenta o risco de câncer oral, sendo que 83% residiam no sul da Ásia. O país “campeão” no consumo de tabaco de mas­car é a Índia (185,8 milhões de consumidores, que repre­sentam mais de metade desses fumantes em escala mundial).

Os autores do estudo aler­tam para a necessidade de “regulamentações e políticas mais fortes” para conter a alta prevalência desse consumo em alguns países asiáticos. No co­municado, a revista The Lan­cet adverte que os três estudos apresentam limitações, como o fato de os efeitos do hábito de fumar na saúde não incluírem o fumo passivo e os dados não englobarem o consumo de ci­garros eletrônicos ou produtos de tabaco aquecido.

Postagens relacionadas

Concurso busca slogan para campanha de doação de leite materno

William Teodoro

Doenças isquêmicas do coração são as que mais matam mais mulheres no país

William Teodoro

Banco de Sangue chama doadores

William Teodoro

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Aceitar Política de Privacidade

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com