Tribuna Ribeirão
DestaqueEsportes

Botafogo recebe Vila Nova para se afastar de vez do Z-4 

Por conta de um jogo adiado, Pantera vem de semana cheia de treinos 

Tricolor venceu o Santos na última rodada (Reginaldo Junior/Messias Photo/Divulgação/Agência Botafogo)   

Por Hugo Luque 

O Botafogo volta a campo neste domingo, às 11h, no Estádio Santa Cruz, diante do Vila Nova, pela décima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O Pantera busca conquistar a segunda vitória consecutiva na competição para se afastar da zona de rebaixamento. Se confirmar mais um bom resultado, seria apenas a segunda vez no ano com triunfos seguidos, a primeira desde fevereiro. 

Na última rodada, o Tricolor visitou o Santos, que mandou o compromisso no Estádio do Café, em Londrina (PR), e venceu a primeira neste nacional, por 2 a 1. Os gols foram marcados por Douglas Baggio e João Costa. 

Para o autor do segundo gol, inclusive, o tento foi ainda mais importante porque, além de ter dado a vitória, foi seu primeiro como profissional. Aos 19 anos, o meio-campista entende que o time precisava desencantar e conquistar o primeiro resultado positivo desde março, quando eliminou o Anápolis da Copa do Brasil. 

“Eu vejo essa vitória como uma mudança de chave no campeonato. Foi muito importante na questão de ganhar confiança, de fazermos dois gols. A gente tem de trabalhar para cada jogo ser uma final e a gente conseguir vitórias, dentro e fora de casa, além de seguir bem na tabela”, comentou o atleta durante a semana. 

Jogo a menos 

O Botafogo tinha um duelo marcado contra o CRB, fora de casa, pela nona rodada da Série B, para o sábado da última semana. Entretanto, o Alvirrubro disputou a final da Copa do Nordeste no dia seguinte e, com isso, a CBF adiou o encontro, que ainda não tem nova data. 

Assim, o Pantera permanece com sete pontos e um jogo a menos em relação aos adversários na tabela, entre eles o próprio Vila Nova, próximo rival, que soma 14 pontos. No meio da tabela, o Colorado do Centro-Oeste vem de uma sequência invicta de três jogos no Brasileiro. 

Contudo, no meio do caminho, a equipe goiana foi goleada por 4 a 0 pelo Paysandu na final da Copa Verde, no fim de maio. No agregado, 10 a 0 para o Papão. Agora, o Vila tenta se manter longe da degola no principal campeonato da temporada e busca, quem sabe, se aproximar dos quatro primeiros. 

Para isso, será necessário conquistar o que o time não conseguiu até aqui na Série B: uma vitória fora de casa. Foram quatro jogos como visitante, com três derrotas e um empate, há duas rodadas, com a Chapecoense. 

Em casa, o Vila bateu, na segunda-feira, o Ceará, por 3 a 2. O triunfo só veio aos 51 minutos do segundo tempo, em gol de pênalti marcado por Alesson. Por isso, o lateral-direito Wallison espera uma dura batalha, mas confia que as duas semanas que o elenco botafoguense teve para trabalhar farão a diferença. 

“Acompanhei o último jogo deles, ganharam de forma sofrida. Essa é a segunda semana de preparação e a gente acredita muito nas semanas cheias. Toda semana cheia que tivemos, conseguimos bons resultados nos jogos. Estamos trabalhando isso e todos os aspectos possíveis”, comentou o jogador, homem de confiança de Paulo Gomes. 

Para o treinador português, inclusive, outro diferencial será o apoio da torcida. Nas últimas semanas, a equipe foi muito cobrada pelo tempo sem vencer – cerca de dois meses e meio, contando a intertemporada entre o Paulista e a Série B. 

Agora, Gomes espera uma outra atmosfera no Santa Cruz, com promessa de muito calor dentro e fora das quatro linhas. Contudo, o último encontro com a torcida, no fim de maio, foi marcado por uma derrota por 1 a 0 para o Novorizontino. 

“Essa relação [boa com o torcedor] tem de existir sempre. Vi imagens da torcida do Santos, com os jogadores e o técnico dando autógrafos após perderem para quem, à altura, era o lanterna. Eu só vejo uma forma: apoiar. Após o último jogo aqui, com o Novorizontino, uma das coisas que falei com os jogadores foi que eu continuava gostando deles da mesma forma que quando cheguei aqui. A única forma que temos de sair disso é todos abraçados e vamos seguir”, enfatizou o comandante, que fez uma analogia com a relação entre pais e filhos. 

“Só gostaria que a torcida pensasse igual, porque nunca vi um aluno chegar em casa com más notas, o pai lhe dar uma tareia e ele passar a trazer boas notas. Ele já não gosta de estudar, aí o pai lhe dá uma tareia e ele vai começar a estudar? Pelo contrário. Vai ficar revoltado com o pai, vai continuar trazendo más notas e o pai vai ficar colocá-lo para trabalhar, vai tirá-lo do estudo. Mas e se o pai ajudar e estiver com ele? E se o pai perguntar o que ele precisa? É capaz de ele começar a ter gosto. Eu creio que é por aí. Eles sabem dessa exigência de ganhar jogos, porque todos queremos ter sucesso no futebol, e para isso é preciso ganhar jogos. Ninguém sofre mais do que nós aqui dentro, isto é certo.” 

Nova formação 

Contra o Santos, o Botafogo entrou em campo com uma outra formação tática. Paulo Gomes abandonou o 3-4-3, que se tornou o padrão ao longo do ano, e colocou em campo uma equipe no 4-3-3. A decisão foi motivada pela ausência de peças importantes. 

Os zagueiros Matheus Costa e Bernardo Schappo, lesionados, perderam a partida. Por isso, o comandante decidiu dar uma chance à linha de dois zagueiros, apoiados pela dupla de laterais, e três meias: Matheus Barbosa, Gustavo Bochecha e João Costa, que destacou a força do Vila. 

“A gente tem de estar preparado para todo tipo de jogo e tratar o Vila Nova como um adversário difícil. A gente vem se preparando bem, trabalhando bastante, e tenho certeza que vamos conseguir desempenhar um bom futebol e sair com a vitória.” 

Costa e Schappo, que entraram no processo de transição de suas lesões durante a semana, podem aparecer na escalação, o que pode mudar novamente o desenho do time titular. Além da dupla, também podem voltar o defensor Ericson e os atacantes Alex Sandro – que atuou contra o Peixe, mas sentiu dores no joelho – e Robinho. 

Sem Patrick Brey, suspenso por acúmulo de amarelos, e com dúvidas relacionadas ao departamento médico, além do mistério sobre o esquema, um possível 11 inicial tem: João Carlos; Wallison, Lucas Dias, Fábio Sanches (Schappo ou Matheus Costa) e Jean Victor; João Costa, Matheus Barbosa e Gustavo Bochecha; Douglas Baggio, Negueba e Alex Sandro (Leandro Pereira). 

 

 

 

 

Postagens relacionadas

Ribeirão Preto abre agendamento para vacinação de idosos entre 69 e 71 anos

William Teodoro

Casal morre após acidente em Cajuru

Luque

Sancionada cessão de imóvel para instituto

Redação 2

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Aceitar Política de Privacidade

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com