Tribuna Ribeirão
DestaquePolítica

Secretário ‘esconde’ local do Bom Prato

FOTO: ALFREDO RISK

Evitar especulação imobili­ária. Este foi o argumento que o secretário municipal de Assistên­cia Social, Guido Desiende Filho, apresentou à Comissão Especial de Estudos (CEE) da Câmara para não revelar o endereço da área onde deverá ser construída a segunda unidade do Bom Prato na cidade, na região do Hospital das Clínicas Unidade Campus – ligado à Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HC-FMRP/SUP).

Em depoimento nesta quinta­-feira, 31 de outubro, o secretário pediu que os vereadores tenham paciência para serem informados sobre o local. Garantiu ainda que área está sendo comprada pela prefeitura e ficará a cerca de 400 metros mais perto do Hospital das Clínicas em relação ao endereço anterior, na avenida Governador Lucas Nogueira Garcez, atrás do estacionamento para veículos de visitantes e pacientes, próximo à Clínica Civil do HC, perto do Jar­dim Paiva, na Zona Oeste, a um quilômetro de distância.

Guido Desinde Filho afirmou ainda que, apesar de não revelar o endereço, a prefeitura de Ribei­rão Preto já está viabilizando o projeto executivo do restauran­te popular, que deverá ter 632 metros quadrados. A postura do secretário irritou o vereador Adauto Honorato, o “Marmita” (PR), que chegou a se exaltar e a afirmar que o governo municipal estava enrolando e desrespeitando a Comissão de Estudos.

“Só cego não vê que isso está acontecendo”, disse. Em resposta, Desinde Filho disse que se sentia impotente diante da situação, mas infelizmente não poderia revelar o endereço. Sobre a desistência anunciada nesta semana pela prefeitura de uma área que havia sido cedida pela Universidade de São Paulo (USP), na avenida Go­vernador Lucas Nogueira Garcez, o secretário de Assistência Social afirmou que a desistência foi pro­vocada por problemas técnicos detectados pela administração.

De acordo os engenheiros, por ficar em um nível mais baixo do que outras daquela região, o local serve para a contenção de água da chuva. Para construir o restaurante seria necessário transferir esta retenção para outro local. De acordo com os técnicos, isso aumentaria consi­deravelmente o custo da obra. Ele afirmou ainda, que a prefeitura pediu para a USP a cessão de ou­tro local, que não foi autorizada.

Agora a CEE do Bom Prato vai solicitar – via ofício – que a Secretaria Municipal de Planeja­mento e Gestão Pública informe onde fica a área que está sendo adquirida e o custo total para o município. Também integram a comissão os vereadores Igor Oli­veira (MDB), presidente, e Jean Corauci (PDT).

A novela sobre a instalação do segundo restaurante popular começou em 2017, na gestão do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Em outubro daquele ano ele anunciou que o restaurante fi­caria pronto em março de 2018. Funcionaria no imóvel da rua Ca­pitão Pereira Lago nº 1.605, no Jar­dim Monte Alegre, na Zona Oeste da cidade. Contudo, a data acabou sendo prorrogada para setembro, mas também não foi cumprida.

Meses depois a história mu­dou e Guido Desinde Filho, afirmou que o endereço seria outro, pois um empresário anônimo da cidade se dispôs a construir o prédio, equipá-lo e doá-lo ao município. A única condição era que o prédio fi­casse o mais próximo possível do ambulatório do HC. Meses depois, entretanto, a prefeitura divulgou que o empresário anô­nimo havia desistido da doação.

Para viabilizar o projeto, a administração municipal anun­ciou uma parceria com a Uni­versidade de São Paulo – por meio da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto –, que cederia, em comodato, uma área com 700 metros quadrados para a prefeitura construir a unidade.

Na última terça-feira (29), após anunciar que havia desisti­do do terreno sob o argumento de que a área “não atende as ne­cessidades para a implantação do restaurante”, o governo municipal revelou que estudava um novo lo­cal e que a desistência não prejudi­cará a viabilização do projeto para o segundo semestre de 2020 – a última previsão anterior era para antes de junho, segundo o gover­nador João Doria.

Ribeirão Preto possui uma unidade do Restaurante Bom Prato, na região central da cidade. O Bom Prato do Centro, na rua Saldanha Marinho nº 765, serve diariamente 2.050 refeições, sen­do 1.750 no almoço a R$ 1 e 300 no café da manhã, a R$ 0,50. A entidade responsável pela uni­dade é Associação Espírita Ca­sas de Betânia. Desde sua inau­guração, em novembro de 2005, o restaurante já atendeu mais de 4,6 milhões de pessoas. A rede de restaurantes serve diariamente mais de 100 mil refeições, entre almoço e café da manhã.

Depois de inaugurado, o Bom Prato do HC deverá forne­cer 1.400 almoços diariamente, dos quais 140 para crianças com até seis anos de idade e 1.260 para adultos, de segunda a sex­ta-feira, exceto aos feriados. O valor pago pelos usuários será de R$ 1 e as crianças até seis anos estarão isentas. Também está previsto o fornecimento de 300 cafés da manhã diários, a R$ 0,50 para os usuários. O custo total do almoço será de R$ 5,70 e do café da manhã R$ 1,96. A diferença entre o preço pago pelo usuário e o valor total das refeições será subsidiado pela esfera pública.

Postagens relacionadas

Com 97,2% de chances de rebaixamento, Botafogo repete erros e vê Série C mais próxima

Redação 8

Ciclista vítima de acidente morre no HC-UE

Luque

A criatividade dos golpistas

William Teodoro

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Aceitar Política de Privacidade

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com